Próximo encontro da cúpula Pan Amazônica será em Belém

A escolha da Amazônia como sede do encontro atendeu a uma sugestão do Governador do Pará, Helder Barbalho

28/10/2019 09h55 - Atualizada em 06/11/2019 11h20
Por Larissa Noguchi (SECOM)

Governadores da Amazônia e nordeste na cúpula realizada no VaticanoA construção de caminhos para a preservação da Amazônia, mantendo a cobertura vegetal e sua diversidade, mas incluindo alternativas para melhorar a qualidade de vida dos seus milhões de habitantes, precisa da participação da Igreja, dos governos e da sociedade, enfatizou o governador do Pará, Helder Barbalho, em seu pronunciamento no encontro promovido pela Pontifícia Academia de Ciências do Vaticano e governadores da Amazônia brasileira, na manhã desta segunda-feira (28). Uma importante sugestão foi acatada pela comissão organizadora do encontro. “Gostaria que a próxima reunião da cúpula pudesse ser na Amazônia e que pudesse, portanto, prestigiar a nossa região e coloco a disponibilidade de candidatar a capital do Pará, Belém, para que seja sede da próxima reunião da Cúpula de governadores da Pan Amazônia”, sugeriu o Governador. A sugestão para que Belém seja a próxima sede do encontro da cúpula Pan Amazônica foi acatada. A data será divulgada em breve.

“Se não formos capazes de encontrar solução para esses milhões de brasileiros, certamente, cada um vai procurar sua alternativa, seja da nossa flora e da nossa fauna. Dito isto, quero fazer o chamamento de atenção das comunidades tradicionais, e que possam ser olhadas de forma prioritária. É fundamental a preocupação, para que não haja uma tentativa de exclusão de quem tem por direito a preservação de sua cultura e de suas raízes”, destacou o governador paraense, que integra uma comitiva de chefes de Executivo da Amazônia e do nordeste. Todos se pronunciarão, ressaltando as características de suas regiões.

Helder Barbalho defende alternativas de preservação que priorizem a população da AmazôniaO governador do Pará ressaltou a importância do agronegócio no Estado, uma das atividades mais expressivas da economia paraense, e apresentou diretrizes que possam manter essa economia sustentável, valorizando a floresta em pé.

Helder Barbalho destacou o desafio da sociedade, a colaboração da Igreja e dos governos para a construção de uma região econômica e com caminhos efetivos para a vida da floresta. Por fim, ressaltou que 23 milhões de brasileiros vivem na Amazônia e necessitam de acesso a serviços essenciais, como abastecimento de água, saúde pública e saneamento, e que cada governo precisa pensar nas soluções sustentáveis para manter o equilíbrio das populações dessa região.

Governador Helder Barbalho (c), o secretário de Meio Ambiente, Mauro O’ de Almeida (e), e o presidente da Alepa, deputado Daniel SantosFundo estratégico - O governador paraense apresentou aos participantes o Fundo Amazônia Oriental (FAO), destinado à captação de recursos nacionais e internacionais para implementação de políticas, programas e projetos estratégicos para o desenvolvimento sustentável da Amazônia. Ele já havia apresentado o FAO em outro evento no exterior, na Conferência Internacional sobre Preservação da Amazônia, que ocorreu em Nova Jersey, Estados Unidos, nos dias 17 e 18 de outubro.

O secretário de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade do Pará, Mauro Ó de Almeida, que participa do evento, destacou as iniciativas que o Pará vem colocando em prática para a preservação da floresta. "Como o governador ressaltou, é preciso ter esse olhar, tanto das populações tradicionais quanto das outras populações que vivem na Amazônia - o homem que está na floresta, e como utiliza o meio. É preciso também olhar para os investimentos, para que as cidades da Amazônia possam atentar para a economia sustentável", disse o titular da Semas.

O secretário de assuntos de Soberania Nacional e Cidadania do Ministério das Relações Exteriores do Brasil, Fábio Mendes Marzano, abriu a discussão sobre o comprometimento que o Brasil tem assumido nas reuniões internacionais sobre meio ambiente e preservação da floresta amazônica. “Quero enfatizar que o governo brasileiro reconhece a importância dessa discussão, e segue de perto todos os instrumentos de acordos internacionais existentes. No acordo de Paris, por exemplo, o Brasil esteve lá e negociou ativamente, e assumiu o compromisso que dentre todos os países em desenvolvimento é o único  que produz metas absolutas de redução de suas emissões”, afirmou o representante do governo brasileiro.

No encerramento do Sínodo da Amazônia, o Papa Francisco anunciou a criação de um órgão dentro da Santa Sé dedicado aos cuidados com a Amazônia. O departamento deverá ficar dentro do Dicastério para o Serviço do Desenvolvimento Humano Integral, sob o comando do cardeal Peter Turkson, de Gana.

Também integra a comitiva do Pará o presidente da Assembleia Legislativa do Pará, deputado Daniel Santos.

Ouça a matéria completa: