‘Operação Solidariedade’ da Polícia Civil atende trabalhadores da ilha de Algodoal

Agentes e colaboradores distribuíram cestas de alimentos para pessoas que dependem do turismo

29/05/2020 18h26
Por Cristiani Souza (PC)


A ‘Operação Solidariedade', realizada pela Polícia Civil do Pará, deu continuidade às ações de ajuda ao próximo nesta sexta-feira (29). Desta vez, o comboio de agentes da Divisão Especializada em Meio Ambiente e Proteção Animal (Demapa) e da Polícia Comunitária (PCCOM) se deslocou até o município de Marapanim, para doar 137 cestas básicas a carroceiros e canoeiros que trabalham e moram na ilha de Maiandeua, conhecida com Algodoal. É a segunda ação de assistência aos trabalhadores da ilha. A entrega foi realizada no porto de Marudá para evitar aglomeração e reduzir os riscos de contágio de Covid-19. 

Delegado Tarsio Martins - Demapa"Na verdade, as ações aos trabalhadores da Ilha de Mirandela, continuam. Estamos unindo esforços institucionais da Polícia Civil e de colaboradores para cada vez mais avançarmos com o apoio a todos os moradores. Hoje, foram contemplados os carroceiros e os canoeiros e numa próxima oportunidade, a fim de evitar a aglomeração, nós pretendemos atender novamente os animais. Eles já foram atendidos numa outra oportunidade, mas devido ao prolongamento da crise estabelecida pela pandemia, eles necessitam novamente de ajuda para se alimentarem", explicou o delegado Tarsio Martins, da Demapa.

Adelson Evangelista - Associação dos CarroceirosTodo o material foi devidamente higienizado e desinfetado antes da entrega. Parte das cestas foi recebida com muita alegria pelo representante da Associação dos Carroceiros, Adelson Evangelista. "Agradecemos de coração a iniciativa de vocês. Eu falo em nome dos 61 carroceiros que hoje passam por dificuldades, mas têm esperança de que logo tudo voltará ao normal. A gente vai superar tudo isso com a ajuda de vocês. Agora melhorou e vai melhorar cada vez mais, se Deus quiser", afirmou Adelson.

Carlos André - Associação dos Canoeiros Um dos colaboradores da ação tem um microempreendimento na ilha. Ele pediu para não ter o nome divulgado, mas fez questão de falar sobre a felicidade de poder ajudar o povo da terra que tanto gosta. "Eu sou um pequeno empreendedor da ilha e a gente tem consciência de que a economia do local gira em torno do turismo e quando essa engrenagem trava, os pais e as mães de família deixam de botar a comida na mesa. O povo de Maiandeua é um povo trabalhador e muito digno", relatou o colaborador.

Carlos André Lima faz parte da Associação dos Canoeiros de Algodoal. Ele conta que mais de 30 famílias dependem do turismo para sobreviver e que, atualmente, o trabalho local está escasso. Agora estamos com dificuldade. Nós vivemos de turismo, fazemos passeios ecológicos e travessia no canal. Essas cestas Delegada Claudilene Maia - Polícia Comunitária que estão vindo para nós são muito bem-vindas. Nós agradecemos a todos que ajudaram e, principalmente à Polícia Civil", reconheceu Carlos.

De acordo com a delegada Claudilene Maia, titular da Polícia Comunitária, a ‘Operação Solidariedade' continuará dando auxílio aos que mais precisam. "O objetivo é conjugar esforços para amenizar as dores nessa situação tão difícil que passamos e vamos continuar a avançar", finalizou Claudilene.