Ambulatório do Hemopa é referência para pacientes hematológicos

Fundação recebeu, nesta quarta (19) e quinta-feira (20), a Caravana Solidária do Hospital das Clínicas, com cerca de 50 servidores, para abastecer o estoque de sangue da unidade

20/08/2020 14h08 - Atualizada em 20/08/2020 15h34
Por Giovanna Abreu (SECOM)

Ângela Quaresma"A vida do meu neto depende das doações de sangue. Ele realiza transfusões mensais no Hemopa por conta da Anemia Falciforme, que foi identificada desde o teste do pezinho. Essa doença provoca outras complicações e ele já sofreu três Acidentes Vasculares Cerebrais. A transfusão ajuda para evitar o agravamento da doença”, relata Ângela Quaresma, avó e acompanhante do paciente hemofílico da Fundação, de 7 anos. A criança mora no município de Abaetetuba e realiza transfusões mensais no Hemocentro Coordenador de Belém desde 2018.

A criança é um dos pacientes atendidos pelo ambulatório da Fundação Cento de Hemoterapia e Hematologia do Pará (Hemopa) que é direcionado a pacientes que possuem doenças do sangue como Hemofilia, Anemia Falciforme, Aplasia Medular, Talassemia, Doença de Von Willebland, Gaucher, entre outras que provocam distúrbio de coagulação, falência e distúrbio medular e baixa de plaquetas. 

Segundo a coordenadora do ambulatório de pacientes do Hemopa, Dra. Saide Sarmento, a Fundação possui dois pilares, divididos em áreas para doadores e pacientes. “As nossas bolsas de sangue são destinadas para hospitais do Estado e também para os nossos pacientes hematológicos. Todos os dias nós temos pacientes agendados para receber transfusão de sangue no Hemopa, o que torna fundamental o ato solidário da doação”, ressalta. Uma bolsa de sangue doada pode beneficiar até quatro pacientes. A necessidade do Hemopa é diária, pois o atendimento transfusional é ininterrupto.

O ambulatório do Hemopa conta com uma equipe multidisciplinar constituída por médicos, psicólogos, assistentes sociais, fisioterapeutas, farmacêuticos, enfermeiros, técnicos de enfermagem, pedagogo. Além dessas especialidades, o ambulatório realiza atos transfusionais, todos os dias, das 7h às 18h, conforme agendamento prévio na Unidade. O paciente é referenciado pela Unidade Básica de Saúde do seu município e encaminhado por meio do Departamento de Regulação das localidades. Os medicamentos são distribuídos de forma gratuita pela equipe de Farmácia do Ambulatório. 

“Antes da pandemia, atendíamos, em média, 1.600 pacientes por mês. Durante a pandemia, a nossa média é de 500 atendimentos mensais. Não podemos interromper nossos serviços ambulatoriais, porque há muitos pacientes que necessitam do ato transfusional regular e nossa equipe segue empenhada para promover o bem estar, curar, aliviar dores dos pacientes e não deixar que a patologia se agrave. É emocionante fazer esse trabalho todos os dias”, assegura a coordenadora. Os atendimentos foram readequados para evitar aglomerações e garantir o distanciamento social, de acordo com as diretrizes da Organização Mundial de Saúde. 

CARAVANA SOLIDÁRIA

Com o objetivo de abastecer o estoque de sangue da Fundação, servidores do Hospital de Clínicas (HC) participaram, nesta quarta (19) e quinta-feira (20), de uma Caravana Solidária de doação de sangue. Segundo a biomédica e responsável pela Caravana do HC, Bárbara França, o hospital realiza campanhas regulares, que se intensificaram, desde o início da pandemia da Covid-19. 

“Na quarta-feira (19) alcançamos 25 doadores e hoje (20) contamos com mais 23 servidores candidatos a doação. Nós do HC somos abastecidos pelo Hemopa e precisamos ajudar a manter o estoque de sangue  destinados para hospitais e para os pacientes hemofílicos. É uma das maiores formas de humanidade demonstrada na ajuda ao próximo”, informa a coordenadora. No mês de maio de 2020, cerca de 60 servidores participaram da ação mobilizada pelo Hospital.

Doador há mais de dez anos, o analista de redes, que é servidor do HC, Rodrigo Marques, realiza doações regulares no Hemopa. “Sempre participo das Caravanas do Hospital. Esse incentivo aos servidores é muito importante. Disponibilizar um pouquinho do seu tempo para salvar vidas e fazer o bem não tem preço e é fundamental”, assegura. 

Segundo a assistente social do Hemopa, Olinda Campos, uma das frentes de atuação da Fundação é a Captação Hospitalar. Equipes visitam as unidades de saúde para orientar, informar e incentivar que os servidores realizem a doação. “É uma corresponsabilidade. Da mesma forma que abastecemos os hospitais com as bolsas de sangue, precisamos da ajuda para a reposição de hemocomponentes. A Caravana é uma das expressões desse trabalho”, afirma.

CRITÉRIOS - O voluntário deve ter entre 16 e 69 anos (menores de idade devem estar acompanhados do responsável legal), ter mais de 50 kg, estar em boas condições de saúde e apresentar um documento de identificação oficial, original e com foto (RG, CNH, Passaporte ou Carteira de Trabalho). Quem teve Covid-19 deve esperar 30 dias após a cura para doar. E quem teve contato com pessoas que tiveram Covid-19, deve esperar 14 dias após o contato.

SERVIÇO – O Hemopa Coordenador de Belém funciona na Avenida Serzedelo Correa, esquina com a Rua dos Caripunas - Batista Campos. Confira todos os contatos das unidades do Hemopa no Pará. Clique aqui .