Hospital Materno Infantil de Barcarena é referência em humanização

17/09/2020 17h43
Por Roberta Vilanova (SESPA)

Às vésperas de completar dois anos de funcionamento, o Hospital Materno Infantil Dra. Anna Turan (HMIB) já contabilizou aproximadamente 125 mil atendimentos e é considerado referência em humanização devido aos diversos projetos que desenvolve visando à maior aproximação entre o recém-nascido e sua família.

Localizada a 114 quilômetros da capital Belém, atendendo 100% SUS, a unidade hospitalar alcançou a média de 96% de satisfação entre seus usuários.

Além de atendimento de urgência e emergência, o Hospital oferece consultas, internações, cirurgias e exames, tendo contribuído para a redução no deslocamento de pacientes para a capital em busca de atendimento médico, principalmente de mulheres grávidas e em trabalho de parto.

Segundo o diretor hospitalar, Fábio Machado, até o momento, mais de duas mil crianças já nasceram no HMIB com saúde e segurança. “Além de ser um porto seguro para a saúde de mães e recém-nascidos, o Hospital Materno Infantil tem um impacto social enorme na região do Baixo Tocantins por contemplar vários municípios além de Barcarena”, garante.

Ele disse que todo o trabalho tem como base os parâmetros de humanização em que as gestantes são acolhidas para que o parto aconteça como planejado. “As mães são tratadas com dignidade e respeito, desde o pré-natal, ao parto, ao puerpério e aos momentos de assistência ao recém-nascido”, afirmou.
Há ainda vários projetos oferecidos para usuárias, acompanhantes e recém-nascidos, com foco no acolhimento e humanização no atendimento. “São atividades, cursos, oficinas, entre outros, que fazem parte das estratégias de gestão da unidade para oferecer um serviço de qualidade”, afirmou a diretora assistencial do HMIB, Joice Vaz.

Parto humanizado – O HMIB oferece a opção de parto humanizado que utiliza métodos não farmacológicos para alívio da dor. A equipe multiprofissional atua desde o apoio psicológico, para dar suporte emocional, até as práticas de acolhimento, como massagem, o uso da bola de pilates para auxílio na musculatura, música e dança para diminuir ansiedade, banho de banheira para relaxamento e arte com placenta, com uma lembrança para fortalecer o vínculo entre unidade e a família. 

Projeto Octos – Acolhimento, aconchego, proteção e carinho são o que representa o polvo de crochê, que é peça importante na Unidade de Cuidados Intermediários (UCI) e UTI Neonatal. “Os polvinhos são confeccionados pelas próprias mães que acompanham seus bebês internados ou por voluntários e são colocados nas incubadoras, tanto da UCI quanto da UTI, como forma de humanizar ainda mais o cuidado com o prematuro, e auxiliar nos cuidados neonatais”, explicou Joice Vaz.

O HMIB também utiliza o Método Canguru que tem a finalidade de dar uma atenção humanizada ao recém-nascido de baixo peso e melhorar a qualidade de vida da puérpera e sua família. Pois, promove o contato pele a pele favorecendo o vínculo afetivo entre outros benefícios para o bebê. 

Segundo Joice Vaz, o método é fundamental para a possível alta dos recém-nascidos internados na UTI, uma vez que ensina o bebê a respirar sozinho conforme o movimento do corpo da mãe. “Isso ajuda o prematuro a não perder energia e, com isso, ganhar peso. A unidade também estimula a participação de mais membros da família no processo, como, por exemplo, o pai ou avós”, disse Joice Vaz. 

Banho de Ofurô em bebês - Os recém-nascidos também tomam banho de ofurô, cuja técnica auxilia na adaptação extrauterina, pois o espaço, o posicionamento do bebê e a água proporcionam ao recém-nascido sensações de relaxamento e analgesia. 

Conforme Joice Vaz, o banho de ofurô só é realizado em bebês que atendem aos critérios de inclusão, como ter um peso acima de um quilo e meio e pele íntegra. No HMIB, os banhos são semanais ou de acordo com a necessidade do bebê.

Além disso, o HMIB oferece mensalmente às mães a oportunidade de fazerem o curso de banho de ofurô, no qual aprendem as etapas do método e conhecem os benefícios da prática, para que possam fazer com mais segurança em casa após a alta hospitalar.

A maternidade também mantém oficinas e projetos que servem com uma via de escape social, econômica e de acolhimento às mães que acompanham seus filhos em tratamento na unidade.  Até o momento, mais de 800 mães já tiveram acesso aos programas desenvolvidos pela equipe multiprofissional. 

Durante essas atividades manuais, as acompanhantes podem utilizar o tempo ocioso para aprender a criar brinquedos e utensílios, pinturas, laços, guirlandas e pelúcias de acolhimento para seus filhos, participando mais ativamente da ação de humanizar o cuidado com o prematuro.

Visita Assistida – Trata-se de um projeto que acontece de acordo com a avaliação e estudo de cada família, feita por psicólogos e assistentes sociais. O principal objetivo é fortalecer o vínculo familiar e humanizar os laços entre família e hospital.  Essa atividade contempla tanto crianças como adultos em todas as unidades de internação. 

Em âmbito ambulatorial, o Hospital oferece o primeiro curso específico para mulheres grávidas e acompanhantes no Baixo Tocantins. Com as aulas, a família pode entender sobre os tipos de parto, cuidados com o bebê, técnicas de amamentação, além de conhecer os profissionais e a estrutura das salas de parto do hospital. 

As aulas são ministradas por uma equipe multiprofissional da unidade, com enfermeiros, terapeuta ocupacional, psicóloga, assistente social, entre outros. Ao final do curso, a mãe recebe um certificado de aprendizado.

Aberto à comunidade, o curso é gratuito e acontece semanalmente no Banco de Leite Humano dentro do HMIB. Para participar, basta se inscrever na recepção da unidade.

Por falar em Banco de Leite, é válido ressaltar que o do HMIB é o único na região e referência em educação sobre aleitamento materno e doação de leite humano. A equipe realiza coletas nas Unidades Básicas de Saúde para fortalecer a rede de apoio da doação. 

Segurança do Paciente - Segundo a Joice Vaz, por meio de dinâmicas, paródias, questionários e atividades manuais, os trabalhadores participam de capacitações periódicas sobre segurança do paciente.
Acontecem encontros mensais para o aprendizado correto da identificação do paciente, assim como, a comunicação efetiva em prol do atendimento e da assistência. “As orientações são voltadas à segurança da prescrição, uso e administração de medicamentos junto à equipe assistencial, procedimentos, indicações e modelos para a realização de cirurgias seguras, e à correta higienização das mãos”, detalhou.

Projeto Âncora - A equipe multiprofissional do Materno Infantil também realiza o Projeto Âncora, que realiza encontros semanais com a família, para auxiliá-la nos cuidados aos pacientes em casa, após a alta hospitalar, e assim, se tornar parte integrante da recuperação. O trabalho inclui rodas de orientações, acompanhamentos específicos de cada profissional, educação em saúde durante a internação, direcionamento da continuidade do tratamento junto à rede de atenção à saúde, garantia dos direitos do usuário do SUS, etc.

Finalmente, para acompanhar e avaliar os resultados de todo o seu trabalho, o HMIB utiliza um software de Gestão Estratégica. O mecanismo possui um módulo de pesquisa de satisfação, realizada por meio de tablet, o que torna mais fácil e interessante fazer elogios, dar sugestões e até mesmo as opiniões dos usuários. Essas informações são essenciais porque ajudam e possibilitam uma melhoria contínua do atendimento, e reforçam questões como ética, humanização, respeito e eficiência. 

Além de conter perguntas padronizadas e de múltiplas escolhas, com questões que seguem uma escala de 1 a 10 para avaliação desses serviços e do atendimento, o usuário tem um espaço para manifestar sugestões e opiniões em escrito ou pela Ouvidoria. Por meio da ferramenta é possível obter a captação em tempo real do percentual de satisfação.

“Graças ao modelo de gestão definido e adotado pelo governo estadual, tem sido possível colocar em prática um plano de trabalho voltado para as metas de atendimento e qualidade”, concluiu o diretor hospitalar, Fábio Machado. 

Para a diretora técnica da Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa), Maitê Gadelha, “é motivo de muita alegria para o Estado saber que temos espaços que priorizam a humanização no atendimento e que proporcionam momentos tão especiais na vida dos pacientes, como é o caso do HMIB”.