Nove hospitais estaduais têm certificação nacional em qualidade e segurança

Método Acreditação ONA é um sistema de avaliação contínuo que estimula a melhoria do atendimento ao público pelas prestadoras de serviços de saúde

18/09/2020 13h56 - Atualizada em 20/09/2020 09h21
Por Giovanna Abreu (SECOM)

A qualidade do serviço e o cuidado com a segurança dos pacientes são prioridades na rede estadual de saúde do Pará. Nove hospitais públicos do Estado têm a certificação da Organização Nacional de Acreditação (ONA), reconhecida internacionalmente. É um selo de qualidade para as organizações prestadoras de serviço de saúde.Hospitais como Oncológico Infantil tem certificação nacional

No Pará, os Hospitais Oncológico Infantil Octávio Lobo, Hospital Galileu, Hospital Regional de Barcarena, Hospital Regional Público da Transamazônica, Hospital Metropolitano, Hospital Regional Público do Leste (HRPL), Hospital Regional Público do Marajó (HRPM), Santa Casa e Hospital Regional do Baixo Amazonas têm essa certificação, revista periodicamente para estimular a melhoria contínua das unidades de saúde.

NÍVEIS

A Acreditação ONA possui certificações em três diferentes níveis, o que permite avaliar o trabalho, de forma continuada. No primeiro nível, a instituição é considerada ‘Acreditado’, quando cumpre ou supera, em 70% ou mais, os padrões de qualidade e segurança definidos.

O Nível 2 é denominado ‘Acreditado Pleno’, quando cumpre em 80% ou mais, os padrões de qualidade e segurança; e cumpre em 70% ou mais, os padrões ONA de gestão integrada.

O ‘Acreditado com Excelência’ é o terceiro e mais alto nível de qualidade. A organização precisa cumprir ou superar, em 90% ou mais, os padrões de qualidade e segurança; em 80% ou mais, os padrões de gestão integrada; e em 70% ou mais, os padrões ONA de Excelência em Gestão, demonstrando uma cultura organizacional de melhoria contínua com maturidade institucional.

HOSPITAL ONCOLÓGICO INFANTIL OCTÁVIO LOBO

Em Belém, o Hospital Oncológico Infantil Octávio Lobo, unidade do Governo do Estado, gerenciado pela Pró-Saúde, conquistou a certificação máxima de qualidade em apenas cinco anos de funcionamento. Gerente de Qualidade do Oncológico Infantil, Viviane Lesses diz que o projeto ‘Heróis da Segurança’ contribui para excelente avaliação Segundo a gerente da Qualidade do Hospital, Viviane Lesses, não é comum uma instituição subir um nível a cada ano na Acreditação ONA. Inaugurado em 2015, o Hospital foi certificado no Nível 1 em 2017; no 2, em 2018 e no Nível 3 em 2019.

“Algumas instituições de saúde levam mais de dez anos para alcançar o Nível 1 de certificação. Acredito que o fato do Hospital Oncológico ter concebido a cultura de qualidade e segurança desde o seu planejamento, fez com que alcançássemos esse expressivo resultado”, explica.

Diretora do Oncológico Infantil Octávio Lobo, Alba Muniz reitera o firme compromisso do hospital com ações planejadas continuamente De acordo com a diretora hospitalar da Unidade, Alba Muniz, há duas frentes importantes de trabalho, que envolvem a segurança assistencial para aumentar as chances de cura dos pacientes e o desempenho de excelentes equipes multiprofissionais que se entregam para o trabalho.

“Buscamos fazer mais e melhor todos os dias. Diariamente planejamos, desenvolvemos, avaliamos, reavaliamos e recomeçamos, sempre com o lema de fazer melhor do que ontem”, garante.

Para a Gerente da Qualidade, a maturidade do Nível 3 da certificação ONA também se relaciona em como o Hospital envolve o paciente para que ele faça parte desse processo de qualidade e segurança. O projeto ‘Heróis da Segurança’, desenvolvido desde o início de 2019, foi uma das atividades socioeducativas que garantiu a excelente avaliação da unidade.

De forma lúdica, o protocolo de segurança é trabalhado junto às crianças e adolescentes em salas de aula, com o objetivo contar com a ajuda deles para o fortalecimento dos cuidados.

“Caso um técnico de enfermagem, antes de ministrar uma medicação, não lave as mãos, por exemplo, os próprios pacientes cobram e assim se tornam agentes que nos ajudam a minimizar os riscos”, conta Viviane Lesses.

Os pacientes participantes do projeto, inclusive, realizam apresentações de teatro aos colaboradores do Hospital para reforçar a cultura de segurança.

“Acreditamos no poder transformador e replicador de informações através da participação dos pacientes e acompanhantes nas nossas ações”, destaca a médica pediatra, Erika Figueiredo, do Núcleo de Qualidade e Segurança do Paciente. As aulas presenciais do projeto estão suspensas por conta da pandemia.

Um dos principais valores do Hospital Oncológico Infantil é a humanização, percebida desde a entrada dos pacientes. O Projeto ‘Fada Madrinha’ é destaque nesse âmbito.

“Nós identificamos os sonhos dos nossos pacientes e dentro das possibilidades do Hospital e dos protocolos de segurança, nos empenhamos para realizar”, explica a médica.

Jerllyson de Paula, diagnosticado com leucemia, é um dos exemplos do projeto. A criança tinha o sonho de escrever um livro e recebeu apoio do Hospital Oncológico para conseguir a tão sonhada publicação.

A pediatra Erika Figueiredo, do Núcleo de Qualidade e Segurança do Paciente, mostra o livro produzido pelo paciente Jerllyson de Paula“O lançamento dos quadrinhos foi um sucesso. Não tem como esquecer o brilho nos olhos dele. É muito evidente o quanto ele se fortaleceu após o lançamento, o que foi muito importante para o tratamento”, afirma Erika Figueiredo.

“Ações como essa dentro de um Hospital Público são muito difíceis de encontrar e realmente faz a diferença”, completa a pediatra. A nova avaliação ONA será realizada daqui a duas semanas na Unidade. Por conta da pandemia da Covid-19, a avaliação será feita de forma remota.

Hospital do Marajó é certificado pela garantia de segurança hospitalar ao paciente, pessoas capacitadas e processos institucionalizadosHOSPITAL REGIONAL PÚBLICO DO MARAJÓ 

Há dois anos consecutivos, a unidade de saúde do Governo do Estado, em Breves, mantém o reconhecimento ONA 1, que atende o critério de segurança do paciente em todos os seus processos, o que inclui o aspecto da estrutura do ambiente hospitalar, pessoas capacitadas e processos institucionalizados.

De acordo com a Diretora executiva do Hospital Regional Público do Marajó (HRPM), Rejane Xavier, a instituição é referência em atendimento de média e alta complexidade na região. Mesmo com a avaliação remota deste ano, por conta da pandemia, segundo a Diretora, foi possível comprovar que todos os processos na unidade são focados na segurança do paciente.

“O sucesso de mais uma avaliação deve ser dedicado prioritariamente ao compromisso de todos os colaboradores em favor da segurança dos nossos usuários, que beneficiam diretamente a população que recebe o atendimento de uma equipe qualificada pra prestar assistência segura e com qualidade. O apoio do Governo do Estado também foi fundamental”, comemora.

“Aqui, tudo transpira segurança. Eles nos explicam tudo, desde a chegada no hospital. Sempre que há troca de equipe, recebemos orientações, que vai desde os procedimentos, medicamentos até a alimentação”, afirma Cristiane Cardoso, grávida considerada de alto risco e paciente do HRPM.

HOSPITAL REGIONAL DO BAIXO AMAZONAS

O Hospital Regional do Baixo Amazonas (HRBA), em Santarém, conquistou no início de 2020 a renovação da certificação de Acreditado com Excelência ONA 3.

HOSPITAL REGIONAL PÚBLICO DA TRANSAMAZÔNICA

Localizado em Altamira, a unidade conseguiu obter, em 2019, a recertificação da ONA 3 – Acreditado com Excelência. O título, considerado o maior da área da saúde do Brasil, consolida e reconhece oficialmente a qualidade dos serviços prestados para a população do interior do Pará. Em 2010 alcançou o Nível 1; em 2012, o Nível 2 e, em 2016, o Nível 3.

HOSPITAL METROPOLITANO DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA

A unidade se tornou em 2018, o 1º hospital público de trauma e queimados do Norte com certificação ONA 1. No ano seguinte, houve a renovação da certificação.

HOSPITAL PÚBLICO ESTADUAL GALILEU

Em outubro de 2019, o hospital recebeu a certificação ONA 3, considerado ‘Acreditado com Excelência’. Parte dessa conquista envolve o projeto de intervenção "A pesquisa de Segurança do Paciente como ferramenta de intervenção da assistência".

FUNDAÇÃO SANTA CASA DE MISERICÓRDIA

Em dezembro de 2018, a Santa Casa foi recomendada ao Comitê de Certificação do Instituto Qualisa de Gestão (IQG) para a Acreditação Plena, ONA Nível 2, destinada a instituições que, além de atenderem aos critérios de segurança, apresentam gestão integrada, com processos ocorrendo de maneira fluida e plena comunicação entre as atividades. A instituição recebeu a Certificação ONA Nível 2.