Hospital Abelardo Santos completa um ano e amplia serviços à população

Desde que foi inaugurada, unidade gerenciada pelo Estado já fez mais de 420 mil atendimentos

19/09/2020 12h56 - Atualizada em 19/09/2020 14h57
Por Governo do Pará (SECOM)

Ao completar um ano de funcionamento, o Hospital Regional Abelardo Santos passa a ofertar novas especialidades. A partir de agora, os pacientes poderão buscar tratamento em neurologia, mastologia e ginecologia, dentro dos padrões de qualidade que marcaram o atendimento na unidade desde que foi inaugurada, em 19 de setembro de 2019. As especialidades foram retomadas depois de quatro meses de atendimento exclusivo a pacientes infectados com a Covid-19.

A diretora técnica da Sespa, Maitê Gadelha, lembra a importância do hospital durante o pico da pandemia do novo coronavírusDurante o período de maior infecção por coronavírus na região metropolitana, o Abelardo Santos foi fundamental no atendimento exclusivo de pacientes suspeitos de Covid-19. “Fomos essenciais para atender a imensa demanda de pacientes graves. Vivemos um momento, principalmente na região metropolitana de Belém, em que as UPAs (Unidades de Pronto-Atendimento) e Prontos-Socorros ficaram fechados por dias, e isso gerou uma demanda reprimida. Chegamos à marca de dois mil atendimentos diários”, diz a diretora técnica da Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa), Maitê Gadelha.

Com quase 28 mil metros quadrados de área construída, o hospital fez, durante o período de setembro de 2019 a agosto de 2020, quase meio milhão de atendimentos e exames (420.552). Ao todo, tem 369 leitos operantes, 250 clínicos (internação), 90 de terapia intensiva e 29 de observação. Com os acréscimos de especialidades, a tendência é de aumentar esses dados.

Ampliação - O Hospital Abelardo Santos é a primeira instituição da rede estadual de saúde repactuada com a mudança de perfil de especialidades. A unidade foi inicialmente estruturada para atendimento urgência e emergência 24 horas para pacientes de pediatria e obstetrícia, compartilhando a demanda materno-infantil com a Santa Casa de Misericórdia. Além das novas especialidades, o ambulatório oferta outras 11 via Central Estadual de Regulação em nefrologia, urologia, neurocirurgia, neurocirurgia da coluna, cirurgia vascular, cirurgia torácica, geral e pediátrica, cardiologia, anestesiologia e clínica médica.

O Governo do Pará, assim, amplia de serviços de nefrologia, para além das 1.680 sessões de hemodiálise mensais. Uma possibilidade é a oferta de diálise peritoneal, que pode ser feita diretamente na casa do paciente. Outra oportunidade é o estabelecimento de parcerias com outros órgãos, a exemplo do que vem sendo feito entre os hospitais Galileu e Jean Bittar, que atuam no Programa Obesidade Zero.

"É importante ressaltar a importância do Hospital Abelardo Santos para a saúde pública do Pará. É a primeira instituição da rede estadual de saúde a ser repactuado com a mudança de perfil de especialidades e desde o início do mês, passou a ofertar também atendimento em neurologia, mastologia e ginecologia. Com a mudança, a unidade passa a ter capacidade para 9,1 mil consultas, e temos como meta 705 cirurgias mensais. O hospital vai fazer também outros procedimentos importantes, como mamografia, biópsia de mama e próstata", explica o secretário de Estado de Saúde Pública, Rômulo Rodovalho.

O hospital também abriu vagas no mercado de trabalho, para profissionais como a bacharel em Administração Cristiane Maia Oportunidades – Outro benefício do hospital foi a abertura de centenas de vagas de emprego. O Abelardo Santos tem, ao todo, 1.346 funcionários, além dos terceirizados. A bacharel em Administração e Recursos Humanos Cristiane do Socorro Maia foi uma das pessoas que conseguiram voltar ao mercado de trabalho.

“Tinha o desejo de ter um novo projeto de vida profissional para ficar mais próxima dos meus filhos, já que moramos em Outeiro. Na manhã seguinte à que deixei meu currículo no hospital, recebi a ligação para fazer a entrevista. O cargo disponível era assistente administrativo e eu aceitei o desafio. Na mesma hora comecei a trabalhar”, lembra.

Humanização - O investimento no hospital se reflete na satisfação dos pacientes. Entre eles está o cabeleireiro Nivaldo Dias Ferreira, 59, de Abaetetuba, no nordeste paraense, que se recupera de uma cirurgia de hérnia. Ele foi encaminhado da Unidade de Pronto-Atendimento (UPA) ao Abelardo Santos. “Passei muito ruim, mas deu tudo certo na minha cirurgia. O atendimento foi excelente, me trataram super bem. É um hospital de referência. O hospital está de parabéns mesmo”, diz.

Ronaldo Oliveira, 42 anos, passou oito dias internado no Abelardo Santos como Covid-19. Saiu de lá com sentimento de gratidão e reconhecimento à equipe de profissionais. "Cheguei muito mal ao Abelardo Santos. Depois da triagem fui direto para a internação e piorei. Agradeço muito aos plantonistas, porque fui muito bem tratado. São anjos ali na linha de frente, que se arriscam para salvar a gente", relata.

“A minha homenagem é a todos os profissionais que fazem do Abelardo Santos essa referência em saúde do nosso Estado. Foi um ano intenso este primeiro ano do Abelardo, mas certamente ficará marcado em nossas vidas por tanta gente salva, por tanto protagonismo, pela importância exercida por este hospital no momento da pandemia do coronavírus. Elucido a mais importante unidade, de porta aberta para o atendimento da Covid-19, além de tantas outras iniciativas. Foi um ano de sofrimento, mas, acima de tudo, um ano da certeza da importância do Abelardo Santos para os paraenses”, resume o governador Helder Barbalho.