Pesquisadores da Fundação Hemopa são premiados em congresso internacional

25/09/2020 11h33 - Atualizada em 25/09/2020 13h23
Por Anna Cristina Campos (HEMOPA)

Estudos a partir das amostras de sangue de doadores voluntários de medula óssea, no Pará, apontam que os paraenses possuem semelhanças genéticas com as populações da França, Taiwan Minnan e do estado do Paraná, no Brasil. O artigo desenvolvido pela equipe de pesquisadores do Laboratório da Gerência de Imunogenética da Fundação Hemopa sobre o assunto foi premiado no Congresso Internacional de Transplante de Medula Óssea, realizado na Coréia do Sul, no dia 11 de setembro.

Bolsista da Fundação Hemopa/Fapespa, Luana Cabral, durante a apresentação do trabalho

O trabalho, intitulado “Frequências de alelos HLA-A, -B e -DRB1 mais comuns em doadores de medula óssea no Estado do Pará (Brasil) semelhantes à França e Taiwan como regiões mais distantes”, foi apresentado no ICBMT 2020 por videoconferência pela estudante de biomedicina Luana Cabral, bolsista de iniciação científica da Fundação Hemopa/Fapespa, orientada pela professora Jeanne Mendonça Mattos, gerente do Laboratório de Imunogenética.

“Eu fiquei extremamente realizada e feliz pelo reconhecimento. Todo o apoio da orientadora e da equipe do laboratório do Hemopa foi essencial. Eles me deram toda a estrutura para desenvolver as análises”, destacou a bolsista. 

Metodologia

Foram identificados 21 alelos de HLA-A, 33 de HLA-B e 13 alelos de HLA-DRB1 em 5.000 doadores voluntários de medula óssea, recrutados na Fundação Hemopa, de julho de 2010 a novembro de 2019. A idade média desses doadores é de 30 anos. A grande maioria, composta por 39% dos indivíduos, tinha entre 20 e 29 anos; 53% dos indivíduos eram mulheres, entre 15 e 59 anos, na época da coleta.  

A comparação desses resultados com os de outras populações sugere uma semelhança com os observados em estudos realizados com populações da França, Taiwan Minnan e do Paraná.

Ainda como parte do estudo, pesquisas em publicações sobre a origem e formação da população paraense conduziram a documentos demonstrando que os franceses viveram no Pará, início do século XVII, com destaque para um francês da frota de Francisco Caldeira Castelo Branco, porque conhecia a língua dos Tupinambás, etnia indígena.

Doação - A probabilidade de encontrar um doador compatível de medula óssea é de 1 em 100 mil habitantes. No Pará, a Fundação Hemopa possui um pouco mais de 130 mil voluntários cadastrados no Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea (Redome), que fica no Instituto Nacional do Câncer (Inca). De janeiro a junho deste ano, foram cadastrados 2.055 novos doadores no Pará. Em função da pandemia do novo coronavírus, o número caiu 36% com relação ao mesmo período do ano passado, que registrou 2.749 cadastros.  

“O trabalho desenvolvido buscou entender a composição genética dos locos HLA dos candidatos voluntários à doação de medula óssea cadastrados no Hemopa, com o intuito de auxiliar no processo de busca por doador compatível e na realização de transplantes, por vezes, única opção de tratamento de alguns pacientes. Ou seja, destaca a importância da doação de medula óssea, pois os pacientes são os que mais necessitam dessa compatibilidade”, destacou a professora orientadora, Patrícia Jeanne.