TerPaz completa 1 ano no Guamá, um dos bairros mais populosos de Belém

Foram realizados mais de 21 mil atendimentos em escolas públicas, instituições parceiras, centros comunitários e na delegacia local

19/10/2020 10h42 - Atualizada em 19/10/2020 12h59
Por Paulo Garcia (SEAC)

Bairro começou a receber as atividades do programa em 19 de outubro do ano passadoAs ações do programa estadual Territórios Pela Paz (TerPaz) chegaram no Guamá no dia 19 de outubro de 2019, levando transformação social e mudanças significativas na vida dos moradores de um dos bairros mais populosos de Belém.

Segundo levantamento da Câmara Técnica Intersetorial da Secretaria Estratégica de Articulação da Cidadania (Seac), foram realizados 21.790 atendimentos, somente nesse primeiro ano de atividade, no Guamá. A maioria dessas ações foi realizada em escolas públicas, instituições parceiras, centros comunitários e na delegacia do bairro.

Dona Maria Rosângela Sousa mora no Guamá há 18 anos e sabe muito bem como era a realidade antes do programa. “Nossa área é muito carente, não víamos os serviços públicos assim tão de perto, mas, com a chegada do TerPaz, percebemos uma presença maior do Estado, já realizamos vários cursos, participei também da ação ‘Costurando a Paz’, que nos ajudou nesse período de pandemia, pois recebemos um valor por cada máscara que produzíamos”, contou.

“Era muito difícil conseguir atendimento médico, esperávamos muito, mas, através desse programa, estamos recebendo consultas e outros serviços em várias localidades do bairro, beneficiando muito o nosso povo, que é uma comunidade carente, que, muitas das vezes, não têm dinheiro para pagar um transporte e se consultar em um lugar longe, mas que, pelo TerPaz, está conseguindo esse atendimento. Espero que esse serviço continue - moradora Alcidete Matias. 

Além das ações do TerPaz, Alcidete Matias foi beneficiada pelo 'Recomeçar', que atua na reconstrução de casas atingidas pelas chuvasAlcidete também foi beneficiada, através do TerPaz, pelo programa Recomeçar, criado por decreto estadual em março, com o objetivo de ajudar na recomposição das moradias que foram danificadas por alagamentos causados pelas chuvas. “Eu estava precisando muito porque moro em uma área de remanejamento. O canal do Caraparu enche e a minha casa ia para o fundo, e o TerPaz me ajudou, não só eu, mas várias pessoas que estavam nessa mesma situação a conseguir esse benefício. Comprei o material para reformar a minha casa e agora não encher mais”, concluiu Alcidete.

Em relação a segurança, dados da Secretaria de Inteligência e Análise Criminal (Siac), vinculada à Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social (Segup), apontam queda na criminalidade. De outubro de 2019 a outubro de 2020, foram registradas 31 ocorrências de homicídios e latrocínios no bairro do Guamá. Comparado com o ano anterior, foram 60 casos, o que representa uma redução de 48,33%.

Essa diminuição na violência não são apenas números, foi comprovada no dia a dia dos moradores do bairro. “O Guamá era muito perigoso, já estava em um nível em que a gente não podia sentar na frente das nossas casas, nossos filhos não podiam brincar na rua... A gente vivia com medo, mas percebemos que mudou realmente de um ano pra cá, a polícia está mais presente, a violência reduziu, já podemos voltar a sentar na frente da nossa casa, conversar, os jovens também estão participando de vários cursos e oficinas oferecidas pelo TerPaz, não estão mais desocupados e isso afasta a criminalidade, né?”, lembrou Maria Rosangela.

Entre as melhorias, a moradora Maria Sousa da Silva destacou a redução da violência no bairroPandemia – Nesse período de pandemia do novo coronavírus, o bairro também recebeu atendimento por meio do TerPaz. Cesta de alimentação foram distribuídas, em parceria com a Ouvidoria Geral do Estado (OGE), para pessoas idosas e em situações de extrema vulnerabilidade, além da realização de ações da Policlínica Itinerante da Secretaria de Estado de Saúde Pública do Pará (Sespa), que atendeu pacientes com sintomas leves e moderados da Covid-19.

Usina da Paz – O Guamá também será polo do projeto “Usinas da Paz”, que consiste em grandes complexos públicos, em áreas de aproximadamente 10 mil metros quadrados, com a finalidade de garantir a permanência do Estado nos territórios, com ênfase na prevenção à violência, inclusão social e fortalecimento comunitário, com três eixos fundamentais: assistência, esporte/lazer e cultura.

As UsiPaz terão complexos esportivos, salas de audiovisual, inclusão digital e vários serviços, como atendimento médico e odontológico, consultoria jurídica, emissão de documentos, ações de segurança, atividades profissionalizantes, espaço multiuso para feiras, eventos e encontros da comunidade. Também haverá espaços para cursos livres, dança, artes marciais, musicalização e biblioteca.