TerPaz leva oficinas e fomenta o empreendedorismo a moradores do Benguí

21/10/2020 17h02 - Atualizada em 21/10/2020 17h40
Por Paulo Garcia (SEAC)

O programa estadual Territórios Pela Paz (TerPaz), coordenado pela Secretaria Estratégica de Articulação da Cidadania (Seac), em parceria com a Fundação Cultural do Pará, realiza o projeto “De Mão em Mão” que consiste na elaboração de oficinas de confecção de biojóias e embalagens artesanais. Esta semana, o projeto chegou para os moradores do Benguí, um dos territórios atendido pelo Programa.

Durante duas semanas, os participantes irão aprender técnicas para a confecção dos produtos, uma oportunidade para melhorar a renda desses moradores. “A oficina de biojóias, por exemplo, se propõe trabalhar a capacidade produtiva e criativa de jovens mulheres e mães, oferecendo a oportunidade concreta de desenvolver técnicas necessárias para realizar um trabalho de qualidade, elaborando um produto artesanal que tenha toda a possibilidade de estar num grau de igualdade e competitividade frente aos demais produtos oferecidos pelo mercado, ajudando na renda dessas pessoas”, explicou Val Genú, responsável pela oficina.

A matéria-prima usada na produção dessas peças é a "Lamugem", nada mais é do que a lama limpa que excede nas mãos do oleiro que modela o vaso, argila pura e refinada, considerado um produto sustentável.

Para a artesã Juliana Lebrego, que ministra a oficina de embalagem artesanal, esse projeto também ajuda a formar o lado empreendedor dos participantes. “Trabalhamos com uma abordagem empreendedora, tanto para quem já tem um trabalho artesanal, pois muitas mulheres costumam a trabalhar na área, como para quem está começando do zero, então o foco é esse, para que elas possam criar embalagem com qualidade que agregue valor ao produto dela, outra opção é trabalhar a embalagem como fornecer e vender esse produto, uma forma de abrir esse mercado para elas”, disse a artesã.

Para esta oficina, serão utilizadas técnicas de cartonagem, que consiste na utilização de papel, cola, tecido e até materiais reciclados para a confecção das embalagens artesanais.

Dona Melissa Morais é costureira, está no ramo há dois anos e no momento trabalha com confecção de bolsas e viu na oficina uma forma de se capacitar. “Eu gosto de explorar a criatividade, achei bem interessante o curso de biojóias, quero entrar nessa área”, disse.

Melissa Moraes, costureiraA manicure Jerusa Ferreira também está participando das oficinas, ela busca novas oportunidades. “Já tive contato com o artesanato e espero aprender bastante para, quem sabe, abrir um espaço e crescer na vida, essa iniciativa do Governo é muito importante, principalmente para nós mulheres”, ponderou.

A ação está sendo realizada adotando todos os critérios de segurança e saúde, como o uso obrigatório de máscaras, utilização de álcool em gel e o número reduzido de participantes, como forma de proteção à covid-19.

“É importante ressaltar que estamos retornando com as ações presenciais do TerPaz respeitando essas medidas de segurança tanto para os moradores que são nosso público-alvo, como para os profissionais que estão trabalhando, precisamos estimular esse lado empreendedor deles, principalmente nesse período difícil que estamos vivendo”, contou Juliana Chaves, coordenadora do TerPaz no Benguí.