Detran finaliza curso de formação para condução de veículos de emergência

O treinamento com aulas teóricas e práticas abordou a legislação de trânsito, as prerrogativas, necessidades e responsabilidades dos agentes

19/02/2021 14h46 - Atualizada em 19/02/2021 16h05
Por Eduardo Vilaça (DETRAN)

Novos agentes do Detran aguardam para fazer a experiência de condução de veículos oficiais do órgão, que têm trafegabilidade diferente Desde a última segunda-feira (15), os 57 novos agentes de fiscalização de trânsito do Departamento de Trânsito do Estado (Detran), aprovados e nomeados pelo concurso C-177, participaram do Curso de Formação para Condutores de Veículos de Emergência, teórico e prático, a respeito da legislação de trânsito, que aborda sobre as prerrogativas, necessidades e responsabilidades dos agentes ao conduzir esse tipo de veículo. Nesta sexta (19), as atividades foram concluídas com uma experiência real de condução dos veículos oficiais do órgão.

O veículo de emergência é uma viatura oficial identificada pela presença de equipamento de segurança e sinais luminosos e sonoros da sirene, utilizados para que os demais condutores percebam a presença desse tipo de veículo na via. Ele tem prioridade no trânsito e pode circular livremente, mas só deve ser utilizado nas situações de urgência previstas na legislação, ou seja, quando de fato for necessário prestar atendimento a uma eventual ocorrência.

A atividade desta sexta consistia em simular um deslocamento emergencial e imediato, trabalhando especialmente a agilidade, segurança e controle ao volante por parte dos novos agentes, que utilizaram mecanismos de frenagem, aceleração e manobra rápidas e precisas.

Para o coordenador de operações do Detran, Ivan Feitosa, a atividade é crucial para apresentar aos novos agentes uma das diversas experiências que serão vivenciadas ao desempenhar o ofício, além de observar o comportamento deles, pontuando a postura ideal. "Nós estamos executando essa atividade prática, após quatro dias de curso, uma somatória de 50 horas. Eles estão desenvolvendo tudo que foi visualizado em sala”, explica.

De acordo com o novo agente de fiscalização do órgão, Caio Oliveira, o contato com a viatura foi suficiente para retratar um pouco do que vem pela frente. "Eu nunca havia tido contato com um veículo desse porte, que exige uma direção mais técnica. É muito importante termos esse domínio, além de adquirir uma habilidade maior e ser sinônimo de exemplo de como se portar adequadamente, com segurança e responsabilidade”, destaca. 

Já para Dayriane Costa, o teste possibilitou a percepção de novas noções de comportamento no trânsito. "Devemos manter cautela, assim como temos que estar preparados para todo o tipo de situação que vamos nos deparar, principalmente as de emergência. Essa parte prática foi fundamental, porque conseguimos sentir o que é dirigir um veículo de emergência diante de vários riscos e circunstâncias inesperadas. Reagir de forma correta nesses casos é o objetivo da nossa formação”, relata.

Colaboração: Celso Junior