Mangueirão chega aos 43 anos em plena revitalização e vivo no coração dos paraenses

Obra ampliará de 35 mil para 55 mil a capacidade de público, e a expectativa é de que a praça esportiva seja entregue em 2022

03/03/2021 15h47
Por Paula Portilho (SEEL)

Estádio Olímpico Jornalista Edgar Proença, mais conhecido como Mangueirão, chega aos 43 anos, e está no coração dos paraenses Nesta quinta-feira (4) o Estádio Olímpico do Pará Jornalista Edgar Proença, popularmente conhecido como Mangueirão, completa 43 anos. Projetado pelo arquiteto Alcyr Meira, o estádio começou a ser construído em 1971. Hoje não está aberto ao público em razão da pandemia de covid-19, causada pelo novo coronavírus e por estar em processo de modernização, mas tem morada permanente no coração e nas lembranças do torcedor paraense.

“Eu tinha 12 anos quando entrei pela primeira vez no Mangueirão para assistir Brasil e Argentina. Para mim foi uma emoção muito grande estar ali naquele momento inesquecível. Com essa grande reforma do Mangueirão, tenho certeza que um dia voltarei a cantar o hino nacional em uma partida da seleção brasileira”, lembrou Marília Rodrigues, que ocupou a arquibancada do lado A com familiares no jogo do Superclássico das Américas, em 2011, quando pela primeira vez o público cantou o hino à capela, e emocionou o País, com repercussões nacionais na imprensa. 

O Mangueirão também sediou projetos e programas desenvolvidos pela secretaria como o Talentos Esportivos (voltado para crianças e adolescentes), o Vida Ativa na Terceira Idade (voltado para pessoas com mais de 50 anos), e outras atividades em parceria com a Fundação ParáPaz, que chegou a atender cerca de 300 crianças moradoras de bairros circunvizinhos com aulas de esporte e de artes. Além disso, se firmou como um grande ponto turístico, por meio do Centro de Visitação, sendo um dos locais escolhidos por turistas do Brasil e do mundo a ser visitado na capital paraense.

Além da cultura desportista, o Mangueirão também sedia projetos e programas sociais para crianças, adolescentes, entre outros públicos“São 43 anos de muitas histórias e de partidas emocionantes, principalmente do maior clássico da Amazônia, o famoso Re-Pa {Remo e Paysandu}. Estamos orgulhosos de que estádio receberá essa grande revitalização e readequação para dar melhor condição aos que prestigiam a praça esportiva”, afirmou Arlindo Silva, titular da Secretaria de Estado de Esporte e Lazer (Seel), responsável pela gestão do Estádio Olímpico.

Obra - A ordem de serviço da reconstrução e modernização do Mangueirão foi assinada pelo governador Helder Barbalho em 26 de fevereiro de 2021. A obra tem o orçamento previsto de R$ 146.983.028,29 (Cento e quarenta e seis milhões novecentos e oitenta e três mil, vinte e oito reais e vinte e nove centavos). A expectativa é de que a praça esportiva seja entregue à população em 2022.

A obra irá ampliar de 35 mil para 55 mil a capacidade de público. Entre as várias adequações para atender às normas atuais da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), está incluída a adaptação para as atuais normas de acessibilidade, substituição total do gramado e do sistema de drenagem, a construção de banheiros masculino e feminino na circulação superior das arquibancadas e criação de vestiário para árbitro feminino, além de outras alterações para melhoria do espaço e benefício para a população. 

*Com informações da Sedop.