Escola Estadual Dr. Ulysses Guimarães completa 28 anos e reafirma o seu compromisso com a educação paraense

Atualmente, a unidade escolar atende 617 estudantes, distribuídos por 17 turmas, em período de Tempo Integral

05/03/2021 18h16
Por Lilian Guedes (SEDUC)

Nesta sexta-feira (5), a Escola Estadual de Ensino Médio Integral Dr. Ulysses Guimarães, situada no bairro de Nazaré, em Belém, completa 28 anos de fundação. Ao longo de todos esses anos, a instituição vem mostrando o seu compromisso com a educação pública paraense, tendo formado até o momento mais de 9 mil alunos, em diferentes modalidades educacionais. Atualmente, a unidade escolar atende 617 estudantes, distribuídos por 17 turmas, em período de tempo integral.

A escola foi fundada no dia 05 de março de 1994, em regime de convênio entre a extinta Rede Celpa (Centrais Elétricas do Pará) e o Governo do Pará. Na época, o governador do Estado, Jader Barbalho, e o secretário de Estado de Educação, Romero Ximenes, firmaram uma parceria com a antiga estatal, que inicialmente visava atender os filhos dos funcionários que trabalhavam na empresa e, posteriormente, foram abertas vagas para toda a comunidade. 

Também conhecida como “Escolinha da Celpa”, no início de sua atuação, a unidade escolar disponibilizou vagas para estudantes do Ensino Fundamental I (1º ao 5º ano), Ensino Fundamental II (6º ao 9º ano) e também para o Ensino Médio (1ª a 3ª série). A partir de 2017, a escola muda sua configuração educacional e começa a atender exclusivamente o Ensino Médio, na modalidade de Tempo Integral.

Ainda em 2017, a unidade de ensino foi condecorada com o Prêmio Gestão Escolar, concedido pelo Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed), por ser referência na qualidade educacional na rede pública estadual. A escola foi a representante do Pará, junto com os vencedores de outros estados do país, na viagem de Intercâmbio aos Estados Unidos da América, com o intuito de apresentar o trabalho realizado em prol da educação brasileira.

A diretora da Escola Dr. Ulysses Guimarães, Ângela Araújo, lembra quando começou a ministrar aulas na escola. A gestora conta que, aos passar dos anos, com a perseverança de toda a sua equipe de professores e técnica-pedagógica, a escola se tornou uma referência para a educação pública paraense.

“Tenho uma alegria imensa pela minha trajetória na escola, desde quando iniciei os meus trabalhos aqui, em 2008. Como professora de Biologia, ajudei na elaboração de projetos exitosos, como as recentes medalhas dos nossos alunos na Olimpíada Nacional de Ciências (ONC). Como gestora, desde 2014, estou à frente de um grupo dedicado de profissionais da educação que acredita na construção coletiva do saber”, afirmou Ângela Araújo.

Em decorrência da crise sanitária mundial do novo coronavírus (Covid-19), o processo de ensino-aprendizagem em todo o país teve que se reinventar e se adaptar ao novo contexto. Os educadores passaram da sala de aula física para as plataformas digitais; alunos foram surpreendidos, e se viram sem seus colegas de classe e professores, de maneira presencial. No entanto, para amenizar os impactos que a pandemia causou no aprendizado dos estudantes, a Escola Estadual Dr. Ulysses Guimarães, entre outras, estão disponibilizando materiais pedagógicos, seja de maneira presencial, através dos cadernos de atividades estruturantes e compêndios (impressos) ou por meio das plataformas via internet.    

Desde a suspensão das atividades escolares de maneira presencial, está sendo feito um intenso trabalho de colaboração entre os docentes. Os que têm maior conhecimento de ferramentas digitais ajudam os colegas com pouca prática e vivência com o manuseio de tecnologias. A direção escolar destaca que a etapa de organização dos trabalhos pedagógicos para as atividades não presenciais foi bastante desafiadora, pois alguns professores precisaram se reinventar diante das necessidades exigidas no formato on-line.

ATIVIDADES ESCOLARES

Vale ressaltar que os alunos da Escola Estadual Dr. Ulysses Guimarães, são orientados a utilizar as ferramentas de estudos disponibilizadas através do movimento “Todos em Casa Pela Educação”, que é uma iniciativa desenvolvida pela Secretaria de Estado de Educação (Seduc), que visa garantir o processo de ensino-aprendizagem dos estudantes da rede estadual. 

Dentre as atividades pedagógicas desenvolvidas, estão a oferta de aulas de maneira não presencial, via Google Meet, cadernos de atividades estruturantes e compêndios (impressos), orientação através de grupos no WhatsApp, entre outros. Tudo isso vem possibilitando que os estudantes já estejam com os horários de estudos organizados e recebam os links com os conteúdos de aprendizagem através do aplicativo de mensagens instantâneas, diariamente.

Texto: Vinícius Leal com colaboração de Lucas Rocha (Ascom/Seduc).