Estado entrega mais 280 cestas de alimentos a cinco abrigos na Região Metropolitana

Com a participação da iniciativa privada, governo amplia a rede solidária para apoiar instituições que atendem segmentos sociais vulneráveis

07/04/2021 18h27 - Atualizada em 08/04/2021 12h54
Por Camila Santos (SEASTER)

Instituições sem fins lucrativos, que desenvolvem trabalho social, recebem as doações de alimentos O Governo do Pará continuou nesta quarta-feira (7) a entrega de cestas de alimentos a instituições que desenvolvem trabalho social voluntário, por meio da Ouvidoria-Geral do Estado (OGE) e da Secretaria de Estado de Assistência Social, Trabalho, Emprego e Renda (Seaster). Foram doadas mais 280 cestas de gêneros alimentícios a cinco abrigos localizados nos municípios de Ananindeua, Marituba, Benevides e Santa Bárbara do Pará, e no distrito de Mosqueiro, pertencente a Belém, na Região Metropolitana. A primeira-dama do Estado, Daniela Barbalho, acompanhou o segundo dia de entrega das doações de alimentos.

A primeira-dama Daniela Barbalho destacou a necessidade de olhar para o próximo e ajudar as instituições de trabalho voluntário"Nós estamos sentindo, cada vez mais, a necessidade de olhar para o próximo e ajudar. E com a pandemia nós temos sentido as necessidades sociais e a vulnerabilidade dos abrigos e das instituições que já ajudavam, que já realizavam esse trabalho. É por isso que a gente está aqui. Ajudar o próximo faz bem, acalenta o nosso coração e minimiza as dificuldades. Por isso, é tão importante que estejamos juntos nesta corrente de solidariedade", frisou Daniela Barbalho.

Em dois dias de ação, 11 abrigos foram beneficiados com 680 cestas. Nesta quarta-feira receberam as doações a Fraternidade Católica Missionária Ágape da Cruz, no bairro de Águas Lindas, em Ananindeua; Cidadela João de Deus, no bairro Nova União, em Marituba; Missão Belém, no bairro Nova Olinda, em Benevides; Fraternidade O Caminho, em Santa Bárbara do Pará, e Lar da Tia Socorro, no bairro Carananduba, em Mosqueiro.A participação da iniciativa privada tem sido fundamental para fortalecer a rede solidária

Joancio Braga foi acolhido há um ano no abrigo Missão Belém, e contou que desde sua chegada ao espaço experimenta uma vivência de transformações. "Eu me encontrava em uma situação muito difícil na rua. Hoje me sinto útil, tenho responsabilidades. Aqui vivemos uma vida de oração, e isso nos ajuda a ser uma pessoa íntegra, a viver uma vida diferente. É gratificante. E eu tenho certeza que essas doações são providências de Deus para nós", afirmou.O ouvidor-geral do Estado, Arthur Houat, participa da entrega dos alimentos aos abrigos

Trabalho voluntário - Ao receber os donativos, a irmã Raimunda Rodrigues, fundadora da Fraternidade Católica Missionária Ágape da Cruz (organização religiosa sem fins lucrativos), reforçou a importância das doações para a manutenção das atividades do espaço. "Nós temos pedido contribuições, ajuda, e temos sido assistidos. Prova disso é esta visita, que chegou novamente em uma boa hora. Sobrevivemos da caridade. Aqui tudo é voluntário, por isso acreditamos que tudo é providência e somos gratos por toda a ajuda que o governo tem nos dado", declarou a religiosa.

A rede de arrecadação e solidariedade é fruto do envolvimento da iniciativa privada, que participa com inúmeras doações. "Com o objetivo de amenizar os impactos do novo coronavírus, o governo do Estado tem envolvido a iniciativa privada neste movimento de arrecadação. É importante que este engajamento seja permanente, para que juntos possamos alcançar quem está na ponta, levando alento e melhoria às vidas daqueles que estão em extrema vulnerabilidade. Muito obrigado a todas as empresas que já doaram e fortaleceram esta ação", ressaltou o ouvidor-geral do Estado, Arthur Houat, que participa da entrega dos alimentos.