Oficinas de comunicação integrada investem no protagonismo da juventude na periferia urbana

Em parceria com a TV Cultura, TerPaz promove o projeto Cenas da Paz, para capacitar jovens em situação de vulnerabilidade na linguagem das mídias

13/04/2021 15h09 - Atualizada em 13/04/2021 16h08

Jornalistas interagem com jovens do Jurunas e da Terra Firme nas oficinas de comunicação do projeto Cenas de Paz, da TV CulturaNo Dia Mundial da Juventude, celebrado nesta terça-feira (13), o Governo do Estado, por meio da Secretaria Estratégica de Articulação da Cidadania (Seac), destaca a importância de atender esse segmento da sociedade para a construção de um presente e um futuro mais cidadãos. No Programa Territórios pela Paz (TerPaz), a linguagem e o audiovisual são aliados dentro do projeto Cenas de Paz, desenvolvido pela TV Cultura do Pará.

Com a orientação de cuidar dos grupos vulneráveis de forma transversal e também em ações concretas, o TerPaz enxerga o potencial transformador dos nossos jovens dos territórios. “O Estado está presente para alavancar o protagonismo e a consciência social da juventude, para que sejam autores da própria história. E o TerPaz, durante esses quase dois anos em funcionamento, tem resgatado e transformado a realidade desses jovens dos sete bairros atendidos, seja com a requalificação profissional, oportunidade de novos conhecimentos por meio de oficinas, cursos ou capacitação. A proposta é formá-los para a autonomia, para que eles se apropriem dos seus direitos”, enfatizou o titular da Seac, Ricardo Balestreri. 

As oficinas de Comunicação Integrada foram retomadas no mês de abril, levando para jovens em situação de vulnerabilidade social, do Jurunas e Terra Firme, técnicas de produção e noções de câmera, web e edição. 

Carolina Silva tem 14 anos, mora no Combu e quer ser YoutuberParticipam moradores dos territórios de pacificação a partir dos 14 anos de idade, como Carolina Silva, que sonha em ser youtuber. "A minha mãe começou a participar dos cursos e viu que tinha para a minha idade. Vale muito a pena essa oficina. De cara eu fui gostando, foi muito legal! Aprendi coisas sobre fazer rádio nas aulas. Eu gostaria de aprender mais coisas, as oportunidades são poucas, ajuda a eu me desenvolver melhor, e como eu quero ser youtuber acho legal aprender e dominar a parte mais técnica que oferece aqui. Vai me ajudar lá na frente na minha vontade de trabalhar com internet”, contou a jovem, que vive na ilha do Combu.

PROFISSIONALIZAÇÃO

De acordo com a diretora da TV Cultura do Pará, Vanessa Vasconcelos, que representa a Fundação Paraense de Radiodifusão (Funtelpa) no programa, a meta é atender 40 jovens. “O nosso intuito com as oficinas da linguagem da Comunicação era permitir que os jovens vislumbrassem uma possibilidade de profissionalização. E nós conseguimos. Porque eles perceberam que esse mundo da rádio, TV, web está ao alcance das mãos deles. Isso foi um facilitador de conhecimento, sem contar que a gente percebeu neles o quanto esse universo mágico das mídias pode estar próximo", pontuou Vanessa.

Laila Suelen Sousa, 17 anos, concorda e já almeja abrir o próprio negócio. "Gosto muito dessa parte deLaila Suelen mora no Jurunas e quer ter o seu próprio negócio audiovisual, fotografia, edição de vídeo, essas coisas. Acho super importantes esses cursos para a comunidade, porque a gente não tem muita oportunidade e a maioria dos cursos são pagos, muito caros. Eu quero ter meu próprio trabalho e isso vai me dar as ferramentas que vou precisar: editar um vídeo, bater foto, fazer as coisas na internet de um jeito profissional”, cogita a moradora do Jurunas.

Despertar o potencial de criação de conteúdo, como um processo de reconhecimento do protagonismo e da cidadania, é uma das propostas do Cenas de Paz. “Com as oficinas, levamos todos os equipamentos necessários para a produção da linguagem de web, tv e rádio e eles começam a perceber que não há necessidade de grande investimento para você ser um futuro comunicador", acrescentou Vanessa Vasconcelos.

APERFEIÇOAMENTO

A diretora avalia que ociosidade e falta de oportunidade podem ser fatores que deixam a juventude suscetível a enveredar pelo mundo do crime. O avanço da tecnologia e das novas modalidades de comunicação, além de ser ferramenta de transformação da realidade desta região, fortalece a autoestima da juventude paraense. “O audiovisual dá visibilidade aos que se encontram à margem da sociedade e, principalmente, torna nossa emissora pública mais presente e responsável socialmente nestes locais. A Funtelpa Rede Cultura de Comunicação é a única emissora educativa do país a realizar este tipo de atividade nas periferias”, enfatizou a diretora.

Aline Miranda é fotógrafa e quer "deslanchar" para ir mais longeAline Miranda, 28 anos, já atua como fotógrafa e viu nas oficinas a possibilidade de aperfeiçoamento. “Esses cursos ajudam a gente a lidar melhor com a própria comunidade, a ter uma comunicação melhor e saber trabalhar em vários ambientes. O diferencial desse curso é a comunicação: como a gente pode melhorar isso na comunidade e profissionalmente. Ter a chance de conhecer como acontece esse fazer do rádio, da mídia, da comunicação gerou muito interesse. Estou trabalhando como fotógrafa e fazendo edições de vídeo, só que não era tão profissional, agora eu devo deslanchar para chegar mais longe. Esse curso só vem somar, até a minha timidez está melhorando”, reconheceu a moradora do Jurunas.

Por Dayane Baía (SECOM)