Moradores de Itaituba e Aveiro são atendidos pelo Barco Hospital Papa Francisco

Pela primeira vez, a unidade flutuante financiada pelo Governo do Pará levou serviços de saúde para casos leves e moderados de Covid-19 à região do Tapajós

14/04/2021 18h51 - Atualizada em 14/04/2021 21h46

A equipe profissional atende pessoas com sintomas leves e moderados de Covid-19Moradores de 10 comunidades nos municípios de Itaituba e Aveiro, no Sudoeste do Pará, receberam serviços de saúde oferecidos pela unidade flutuante financiada pelo governo do Estado. As ações iniciaram na quinta-feira (8) e encerraram nesta quarta-feira (14), na primeira vez que o Barco Hospital Papa Francisco esteve na Região de Integração Tapajós realizando atendimentos. A ação contou com o apoio do Barco João Paulo II, informou a coordenadora de Saúde da Secretaria Regional de Governo do Baixo Amazonas, Talita Liberal.Barco Hospital Papa Francisco encerra mais uma etapa do atendimento na pandemia

“O Barco Hospital Papa Francisco esteve fazendo a região do Tapajós, nos municípios de Itaituba e Aveiro, que nunca haviam sido contemplados com as ações da unidade flutuante. Nesta missão, eles atenderam exclusivamente pessoas com sintomas leves e moderados de Covid-19. É uma estratégia do governo do Estado para atendimento nessa região e enfrentamento ao coronavírus”, disse a coordenadora.A população aproveitou a oportunidade para cuidar da saúde com comodidade

Nesta ação, quase 600 pessoas foram atendidas, resultando em mais de 16 mil atendimentos, entre consultas, testes rápidos, raio X, eletrocardiograma, serviço de enfermagem, verificação de glicemia, frequência cardíaca, medição de temperatura, oximetria, verificação de pressão arterial e distribuição de remédios.

Oportunidade - Marluce Gomes, moradora da Comunidade Fordlândia, em Aveiro, foi uma das pessoas atendidas. “Me consultei, trouxe meu marido, meus filhos, até os sogros. Todos passaram pelo médico, todos receberam remédios e passamos por exames. Foi bem rápido, foi tranquilo. Eu gostei do barco vir aqui. Foi uma oportunidade, e a gente espera que venha mais vezes. Isso é muito importante nesse momento”, afirmou a moradora.Fordlândia foi uma das comunidades atendidas pela unidade de saúde flutuante

Assustada com o aumento dos casos na região, a moradora Isolda Soares não hesitou em acordar cedo para procurar atendimento. "A gente tem que buscar nossa saúde, e assim, praticamente na porta de casa, a gente não pode perder. Eu vim com fé, vim saber se estou, se não estou (infectada), porque a gente tem que se cuidar. Isso é algo muito bom que o governo está fazendo", disse Isolda.

Por Ronilma Santos (SRGBA)