Serviço de fissuras e anomalias craniofaciais retorna com o agendamento de cirurgias eletivas

A expectativa é zerar a fila de espera do Estado até o mês de agosto deste ano

06/05/2021 16h02 - Atualizada em 06/05/2021 17h34

A partir deste mês de maio, o agendamento para cirurgias eletivas do serviço de Referência em Fissuras e Anomalias Craniofaciais da Santa Casa retorna às suas atividades. O atendimento foi pausado como medida de prevenção, em decorrência do aumento do números de casos de contaminação por Covid-19.  

Atualmente, o serviço de fissuras e anomalias craniofaciais possui cerca de  867 pacientes cadastrados na faixa etária de zero a 72 anos, que recebem tratamento multidisciplinar de forma gratuita com uma equipe composta com integrantes das seguintes áreas: Cirurgia craniofacial, Neurocirurgia, Cirurgia plástica, fonoaudiologia, Serviço Social, Psicologia, Nutrição, Odontologia, Otorrinolaringologia, Pediatria, Fonoaudiologia e Enfermagem.

Realizar o acompanhamento a longo prazo de pacientes portadores de fissuras labiopalatais é essencial, uma vez que crianças com fissuras não acompanhadas adequadamente podem ter dificuldades para comer e falar, além das repercussões psicológicas. O serviço de fissuras labiopalatais da Santa Casa do Pará realiza cirurgia de correção e possui uma equipe ambulatorial multidisciplinar que contribui significativamente para o bom desenvolvimento psicológico e social destes pacientes que, em sua maioria, possuem dificuldade em se socializar e vivem em isolamento. O atendimento é referência estadual e conta com o apoio da Smile Train, ong internacional voltada para a causa, que trabalha para dar atendimento adequado, e em tempo certo, às pessoas com fissuras labiopalatais.

Arielly Laviny, de um ano, vem de Moju com a mãe, Clauce dos Santos, desde os quatro meses para o atendimento ambulatorial na Santa Casa. Atualmente, a família aguarda a cirurgia de correção de fissura no palato mole. 

"Eu estou muito ansiosa e ao mesmo tempo com medo da cirurgia, mas tenho certeza que tudo vai dar certo", ressalta Clauce.

Para a médica cirurgiã craniofacial Cynthia Martins Rocha, o retorno das cirurgias eletivas do serviço de fissuras e anomalias craniofaciais é muito positivo, pois permite dar segmento ao serviço prestado e zerar a lista de espera do Estado dentro de quatro meses.

“Estamos muito contentes com esse retorno! Atendemos um público extenso e temos que recuperar o tempo que a pandemia levou, otimizando o tempo de espera da lista e operando no tempo adequado” afirma a médica. 

Em três anos de atendimento, o serviço referência na correção de fissuras labiopalatais e outras deformidades craniofaciais já realizou um número total de 650 cirurgias reparadoras. Somente em 2021, 53 cirurgias já foram realizadas.

Texto: Rafaela Soeiro (Ascom/Santa Casa)

Por Governo do Pará (SECOM)