Unidade José Álvares de Azevedo: 66 anos de educação da pessoa com deficiência visual

A unidade escolar atende cerca de 300 estudantes e se destaca como espaço de aprendizagem e referência na Educação Especial, no Pará

07/05/2021 15h34 - Atualizada em 07/05/2021 16h34

A Secretaria de Estado de Educação (Seduc), por meio da Coordenação de Educação Especial (Coees), parabeniza os 66 anos completos pela Unidade Educacional Especializada (UEES) José Álvares de Azevedo, no bairro de Batista Campos, em Belém, pela trajetória de bons serviços prestados à educação da pessoa com deficiência visual. Ao longo dos anos, o espaço de aprendizagem se consolidou como referência no atendimento especializado, no Pará.José Álvares de Azevedo, em Batista Campos, em Belém

Uma live no canal do YouTube da Coordenação de Tecnologia aplicada à Educação (Ctae), na manhã desta sexta-feira (7), comemorou os 66 anos da Unidade escolar. O encontro virtual prestou uma homenagem ao professor Emir Veloso. O educador lecionou por muitos anos a disciplina de Física na unidade escolar e, recente, faleceu vítima da Covid-19.

A programação incluiu ainda uma roda de conversa virtual, debates e atrações culturais. A Escola José Álvares de Azevedo é referência no trabalho educacional para pessoas cegas e com deficiência visual, prestando diversos serviços excepcionais, seja no desenvolvimento de atividades no aspecto pedagógico, como também de orientação às pessoas acometidas por alguma situação e que acabaram desenvolvendo problemas na visão, a exemplo de perda total.

A Escola José Álvares de Azevedo é referência em educação especializada para pessoas com deficiência visual no Pará Atualmente, a UEES José Álvares de Azevedo atende cerca de 300 alunos, nos turnos da manhã e tarde, prestando total zelo pela Educação Especial no estado do Pará. De acordo com o coordenador da Coordenação de Educação Especial (Coees), Felipe Linhares, a escola é sempre destaque quando se trata de atendimento à comunidade cega, devido ao seu histórico e pelos anos de serviços prestados a esse público-alvo.

A unidade tem acessibilidade em toda sua estrutura física, profissionais capacitados, além de ferramentas pedagógicas adequadas que garantem o processo de ensino-aprendizagem desses estudantes. “A busca por atendimentos na escola é constante, devido ao seu histórico e os bons serviços realizados'', enfatizou  Linhares.

Ele informou que a escola orienta toda uma comunidade escolar e conta com suporte necessário para que as pessoas cegas ou com deficiência visual tenham uma rotina de estudos adequada. "Temos nos esforçado constantemente para buscar melhorias no ambiente escolar, na formação dos professores que atuam no local, além de firmar parcerias com diversas públicas e privadas. Portanto, comemorar esse aniversário é um privilégio e uma honra para mim”, disse o dirigente.

Unidade é dotada de acessibilidade em sua estrutura física, para garantir segurança e autonomia no deslocamento dos estudantes De acordo, ainda, com Felipe Linhares, a unidade escolar produz material em braille para os alunos que necessitam dessa ferramenta de aprendizagem, o que evita danos no processo educacional. Apesar da crise sanitária mundial do novo coronavírus (Covid-19), a José Álvares de Azevedo tem atuado na adaptação dos cadernos de atividades e compêndios (impressos), transcrevendo o conteúdo desses materiais para o braille, para os estudantes não sofram interrupções no processo educacional.

“Temos atuado no sentido de proporcionar todas as orientações para garantir o atendimento adequado dos alunos, mais especificamente dos que fazem parte da educação especial, que é o nosso público-alvo. Estamos oferecendo formação continuada aos professores, reunião com os diretores e coordenadores, emissão de notas técnicas para nortear a parte organizacional do funcionamento e atendimento desses espaços, tudo isso com o intuito de garantir os direitos dos estudantes, respeitando suas particularidades e especificidades”, finalizou o coordenador da Coees.

*Por Vinícius Leal com a colaboração de Rodrigo Moraes (Ascom/Seduc).

Por Governo do Pará (SECOM)