Pesquisa aponta como o turismo pode trabalhar a igualdade de gênero no setor

13/05/2021 17h10 - Atualizada em 13/05/2021 19h02


A Secretaria de Estado de Turismo (Setur) divulgou os resultados da pesquisa 'O Perfil da Mulher no Turismo Paraense', iniciada em março, para propor uma reflexão sobre a desigualdade de gênero e incentivar o debate de questões específicas sobre a mulher no setor. A pesquisa teve a participação de 63 mulheres de todas as regiões turísticas paraenses, de diversas atuações e faixas de idade.

Estatístico da Setur, Admilson Alcantara explica que o estudo objetivou traçar o perfil da mulher paraense que atua nas áreas características do turismo. "Entender quais os desafios que as mulheres encontram nessa atividade, quem são elas, quais as perspectivas desta atividade no sentido da presença da mulher e quais indicações elas dariam para que a atividade pudesse, então, dar respostas às possíveis desigualdade de gênero que existente nessa atividade”, complementou o técnico.

Dados - A maioria das participantes (27,4%) possui mais de 50 anos. Foi identificado que essas mulheres têm um alto grau de formação, 39% delas têm nível superior e 52% são pós-graduadas. Metade das que responderam a pesquisa são solteiras, 69% possuem filhos, sendo 49% responsáveis pelo sustento da família. Os dados também mostram que 59,7% possuem renda mensal considerada boa, sendo 80% empregadas, 20% desempregadas e 5% aposentadas. São mulheres que trabalham em hotéis, agências de viagens ou eventos, aeroportos, órgãos de turismo, entre outros.

Em relação à equiparação salarial em relação aos homens que trabalham no setor, a pesquisa revelou que 40,7% disseram que consideram que o salário é menor. E quando perguntadas se já sofreram algum tipo de violência (verbal, sexual ou física), 59,7 % dessas mulheres negaram enquanto que 40,3% confirmaram. Quanto ao tipo de assédio, 60% informaram ter sofrido assédio moral, 12% manifestaram terem sofrido assédio sexual.

Outro ponto da pesquisa, é que 47% disseram que a mulher ainda passa pelo viés de atração, mas esperam um futuro promissor para o contexto feminino no pós-pandemia; e 67,7% acreditam que existe desigualdade de gênero no turismo. Do ponto de vista das mulheres, o setor pode combater esse cenário com incentivos educacionais, valorização e incentivo ao empreendedorismo feminino e ao potencial das mulheres, entre outras indicações.

De acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU), as mulheres representam 66% da força mundial de trabalho. No Brasil, dados do Cadastro de Prestadores de Serviços Turísticos (Cadastur) mostram que 53% das vagas de trabalho no turismo nacional são ocupadas por mulheres. “A Secretaria de Turismo, a partir dessa pesquisa propõe ao Fórum Estadual de Turismo, as empresas que atuam no setor, as secretarias municipais, dentre outros, que apoiados nessas indicações possam trabalhar nesse sentido de busca da igualdade de gênero, da valorização, da presença das mulheres, respeitando em diversas frentes”, finaliza Admilson Alcantara.

Por: Aila Beatriz Inete (Ascom/Setur)

Por Governo do Pará (SECOM)