Perícia constata que suplementos apreendidos estavam vencidos

Os produtos foram apreendidos pela Polícia Civil, durante Operação Vênus

07/06/2021 11h23

Os peritos do Núcleo de Crimes Contra o Patrimônio (NCCP), do Centro de Perícias Científicas Renato Chaves (CPC-RC), concluíram a perícia técnica de constatação dos elementos de suplementação usados por praticantes de exercícios físicos, onde confirmaram que parte do conteúdo estava vencido. Os produtos foram apreendidos pela Polícia Civil, durante a Operação Vênus, realizada em abril, que visava desarticular depósitos, supermercados e lojas especializadas, da Região Metropolitana de Belém, que vendiam suplementos com data de validade alterada. 

De acordo com os peritos criminais que realizaram os exames, foram confirmados e catalogados mais de sete mil itens distribuídos, entre lotes de proteínas e suplementos, barras de proteínas, caixas de açúcares, suplementação líquida, sementes de girassol, aminoácidos, entre outros, constatando que alguns estavam com a data de validade vencida, adulterada e suprimida.

A mesma perícia analisou um carimbo datador manual, usado na alteração da data de validade. Assim como, alguns códigos “QR” contidos, não correspondiam aos itens em que estavam descritos.

Ainda segundo os peritos, a complexidade dos exames, se deu justamente, devido a quantidade e diversidade das mercadorias que foram apreendidas, o que fez com que fossem levados 30 dias para análise completa. “Durante esse período, foram feitas 11 visitas no local, onde periciamos produto por produto, dos mais de sete mil recolhidos”, relatou o perito criminal Mauro Marcio de Oliveira.

O laudo definitivo da perícia técnica de constatação, será entregue à PC, que usará para concluir o inquérito policial instaurado, sobretudo, em relação aos envolvidos, como os donos dos materiais compreendidos na Operação Vênus.

Por Alexandre Cunha (CPC)