Aplicativo do Projeto Mapas Digitais é apresentado na Sectet

O Mapas Digitais é uma das ações da Sectet, dentro do programa Territórios pela Paz (TerPaz), do Governo do Estado, em parceria com a UFPA 

23/06/2021 15h29 - Atualizada em 23/06/2021 16h29

Reunião de apresentação dos 'Mapas Digitais' na Sectet, em Belém Na manhã desta quarta-feira (23), o coordenador do projeto Mapas Digitais, Paulo Melo, esteve na sede da Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Educação Superior, Profissional e Tecnológica (Sectet) para apresentar o aplicativo do projeto ao titular da pasta, Carlos Maneschy. O Mapas Digitais é uma das ações da Sectet, dentro do programa Territórios pela Paz (TerPaz), do Governo do Estado, realizada em parceria com a Faculdade de Tecnologia em Geoprocessamento da Universidade Federal do Pará (UFPA). 

A equipe do projeto já mapeou três dos sete territórios que fazem parte do programa, realizando a identificação e a localização das redes de escolas públicas e privadas; ruas sem pavimentação; praças e terrenos com potencial para implantação de projetos sociais e ambientais; quintais urbanos com potencial para a prestação de serviços ambientais; centros culturais e comunitários; hospitais e postos de saúde entre outros. 

A equipe fez uma leitura urbana do território, construída com a participação da comunidade, que a é conhecedora da realidade local. Os três bairros que já estão com as informações inseridas no aplicativo são Nova União em Marituba, Icuí em Ananindeua e Cabanagem em Belém. Até o fim do ano, a equipe também fará o mapeamento dos bairros Jurunas, Guamá, Terra Firme e Bengui, em Belém. 

O aplicativo, que estará disponível incialmente apenas para o sistema android, foi organizado de forma didática para facilitar a navegação da comunidade. O usuário escolhe o bairro sobre o qual quer pesquisar, depois a área, como comércio, serviços, transporte, saúde, religião, esporte e outros. Então, escolhe um tema. Por exemplo, na área de comércio, pode ter informações sobre pontos de venda de açaí, açougues, pet shop etc. Junto a isso, o usuário também recebe informações como ruas pavimentadas do bairro, pontos de entulho ou de alagamento.Tit. da Sectet, Carlos Maneschy (blazer) assiste a apresentação 

“A ideia também é que, por meio de um cadastro em na aba ‘fale conosco’, os proprietários desses pontos possam nos passar informações como horários de  funcionamento e contatos, enviar fotos das fachadas ou a população possa enviar as informações sobre pontos de entulho, por exemplo, assim vamos atualizando o aplicativo”, explicou Paulo Melo.

O coordenador também ressaltou que o trabalho da equipe nos bairros ocorre, primeiramente, por sensoriamento remoto e depois por reconhecimento direto, quando os envolvidos no projeto percorrem rua a rua todos os pontos identificados, tendo interação com a comunidade e realizando um levantamento socioeconômico dos territórios.

Para o secretário Carlos Maneschy, que se mostrou bastante satisfeito com criação do aplicativo, esse será um instrumento muito importante para quem trabalha com políticas públicas. “Temos informações que chamam a atenção de qualquer gestor público, é um diagnóstico bem detalhado das condições desses bairros”, considerou. 

Também estiveram presentes na apresentação o coordenador da secretaria adjunta, Eduardo Miranda; os fiscais do projeto pela Sectet, Joana Leão e Rafael Callins; e o pesquisador de informática do projeto, André Avelino. A previsão é de que o aplicativo esteja disponível para os usuários no início do segundo semestre de 2021.

Por Fernanda Graim (SECTET)