Pará é o estado da Região Norte que mais gerou empregos no primeiro semestre

Estudo do Dieese-PA aponta que só no mês de junho, foram gerados 10 mil novos empregos no estado

30/07/2021 09h46 - Atualizada em 30/07/2021 11h13

Mesmo em meio às paradas obrigatórias, a implementação de medidas restritivas e os desgastes sofridos na economia, o estado do Pará conseguiu driblar as dificuldades e manter uma trajetória positiva em relação a geração de empregos formais. Dados divulgados pelo Departamento Intersindical de Estudos Socioeconômicos (Dieese) apontam que o Pará é o estado da região Norte que mais gerou empregos no primeiro semestre de 2021. Ao todo, foram 36.175 novos postos de trabalho criados. Só no mês de junho, foram 10 mil novos empregos.  

O novo estudo foi produzido pelo Dieese foi elaborado em parceria com a Secretaria de Estado de Assistência Social, Trabalho, Emprego e Renda (Seaster), com base em informações do novo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho e Previdência.
Everson Costa, técnico do Dieese no Pará, analisa os dados com otimismo e reforça que mesmo em meio a pandemia, em um cenário difícil, o Pará vem conseguindo apresentar números importantes. 

"Tem se mantido uma trajetória positiva na contratação de trabalhadores em todo o solo paraense. Ainda em meio a pandemia, em um cenário difícil, o Pará vem conseguindo apresentar importantes números. A taxa de desempregados ainda é significativa, porém, manter uma projeção mês a mês e fechar o semestre com mais empregos gerados, é uma sinalização de que a economia paraense está conseguindo apresentar reação frente ao quadro epidêmico. É importante lembrar também que com o aumento da vacinação, também há uma grande expectativa, já que à medida que a vacinação aumenta, ela dá espaço para que a economia possa voltar de forma ainda mais segura", detalha Everson.

Os dados analisados mostram que no período de um ano, o Estado também ganha destaque, com saldo de aproximadamente 72 mil ocupações. Alguns setores da economia contribuíram fortemente para que mais empregos fossem gerados, entre eles o comércio, serviço e a construção civil, acompanhados da indústria e do agronegócio.         

O secretário de Estado de Assistência Social, Trabalho, Emprego e Renda, Inocêncio Gasparim, afirma que o processo de retomada econômica tem ganhado celeridade, aliado a uma série de políticas voltadas ao fomento e fortalecimento da economia, fazendo com que o Pará norteie a geração de emprego, renda e desenvolvimento à população.

“Toda essa movimentação econômica tem sido puxada por fatores que estão diretamente ligados aos investimentos injetados no Estado. A manutenção do plano de vacinação, as políticas fundamentais (entre elas a execução de obras públicas, os investimentos em escolas, estradas, infraestrutura e, também, a manutenção de programas estaduais, com empréstimos e auxílios), foram fundamentais para que esses dados pudessem se manter e se apresentar positivos. O Estado soma R$ 315 milhões voltados aos programas de transferência de renda (Renda 100, Renda 400, Incentiva Mais, Fundo Esperança, Bora Belém) recurso tirado do orçamento para o repasse direto à população, especialmente aos mais carentes e mais atingidos pelos efeitos da pandemia. O resultado positivo que o Pará tem alcançado é fruto da união de esforços das frentes de desenvolvimento e da responsabilidade que esta gestão tem assumido frente à população paraense", destacou o secretário.

Por Camila Santos (SEASTER)