Programa Bora Belém repassa R$ 2 milhões às famílias em vulnerabilidade social

A iniciativa resulta da cooperação entre o Governo do Pará e a Prefeitura de Belém

08/08/2021 09h16 - Atualizada em 08/08/2021 09h52

Até o ano passado, Simone Chaves trabalhava em uma empresa terceirizada de serviços gerais, mas perdeu o posto por causa da pandemia da covid-19. A guamaense, de 46 anos, arrimo da família de cinco filhos e três netos, só conseguiu se reerguer, após ter sido contemplada com o programa de transferência de renda Bora Belém.

De maio de 2021 para cá, a chefe de família, Simone Chaves, recebe mensalmente as parcelas do benefício, e com elas, compra mantimentos e, a prazo, até já adquiriu um carrinho de lanches e passou a vender, diariamente, café da manhã em frente a um supermercado, com tapioquinhas, pães e bolos. “Devido ao Bora Belém, Deus me abençoou, eu consegui colocar uma banquinha de café da manhã, de onde estou tirando o sustento da minha família”, admite ela.O programa auxilia famílias na faixa da pobreza ou abaixo da linha da pobrezaCooperação entre o Governo do Pará e a Prefeitura de Belém, o programa Bora Belém disponibiliza auxílios financeiros a famílias em vulnerabilidade social, agravada pela pandemia. Metade dos recursos repassados aos beneficiários é de origem estadual; a outra, municipal.

Desde o início de março, deste ano, o programa disponibiliza a famílias, previamente, cadastradas e visitadas, auxílios nos valores de R$ 150,00, R$ 300,00, R$ 450,00, a depender da composição familiar. 
Até esta sexta-feira (6), já foram repassados R$ 2, 6 milhões para 4 mil e 980 famílias, que efetivamente já sacaram o valor disponibilizado. Um total de cerca de 6 mil pessoas já tiveram o benefício liberado e receberam o dinheiro em conta, no entanto, muitas ainda não foram receber.

Critério - Secretário de Assistência Social, Trabalho, Emprego e Renda do Pará (Seaster), Inocêncio Gasparim observa que o Bora Belém se destina a famílias na faixa da pobreza ou abaixo da linha da pobreza que já estão cadastradas no Cadastro Único (CadÚnico), mas que ainda não foram inseridas no programa federal Bolsa Família e nem recebem outro tipo de auxílio estadual.

“Então, essas pessoas estão muito desprotegidas, e a contribuição do Bora Belém dá essa mão amiga para suprir as necessidades principais dessas famílias”, avalia o titular da Seaster.

Como acessar o Bora Belém - O benefício é pago durante seis meses, podendo ser prorrogado por mais seis meses. A Fundação Papa João XXIII (Funpapa), da Prefeitura de Belém, gerencia o programa Bora Belém, e tem os dados de todas as famílias inscritas no CadÚnico, por isso, não é preciso realizar nenhum cadastro prévio para receber o benefício.

O valor do auxílio é calculado conforme a composição do núcleo familiar, de acordo com três faixas: na primeira delas, mulheres com um filho recebem R$ 150,00; com dois e três filhos, recebem R$ 300,00; com quatro ou mais filhos têm direito a R$ 450,00.

Para liberar os recursos do Bora Belém, as equipes da Funpapa visitam as famílias para confirmar os dados cadastrais. Apenas após a checagem, a Fundação autoriza o Banpará (Banco do Estado do Pará), operador financeiro do programa, a realizar o pagamento.

Texto: Ádria Azevedo - Ascom/Iasep

Por Governo do Pará (SECOM)