Seaster debate políticas públicas para primeira infância indígena, ribeirinha e quilombola

O evento reuniu gestores, técnicos e representantes municipais nos 'Diálogos Construtivos para a Primeira Infância da Amazônia Paraense'

12/08/2021 21h40 - Atualizada em 13/08/2021 00h34

Promover uma agenda integrada de diálogos e debates sobre a primeira infância é o objetivo da Secretaria de Estado de Assistência Social, Trabalho, Emprego e Renda (Seaster) com a promoção do webnário “Diálogos Construtivos para a Primeira Infância da Amazônia Paraense”. O evento virtual, realizado nos dias 11 e 12 de agosto em alusão ao Mês da Primeira Infância, reuniu gestores, técnicos e representantes municipais, e contou com a participação do titular da Seaster, Inocencio Gaparim, e de representantes do Colegiado Nacional de Gestores Municipais de Assistência Social (Coegemas), do Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente (CEDCA) e da Assembleia Legislativa.O evento virtual foi alusivo ao Mês da Primeira Infância

“Nós dividimos as ações alusivas ao Mês da Primeira Infância em alguns eventos. No primeiro momento reunimos todas as coordenações e diretorias da Seaster para apresentarmos o Programa Criança Feliz e os seus resultados no Estado, envolvendo esses técnicos e destacando a importante contribuição de cada um neste processo. O segundo evento foi o webnário, que funcionou como um grande espaço para troca de experiências, aproximando os municípios, compartilhando boas práticas e discutindo os principais desafios", explicou o coordenador estadual do Programa Criança Feliz, Antônio Sena.

Além do compartilhamento de experiências eficientes de políticas públicas destinadas a famílias indígenas, ribeirinhas e quilombolas, o webnário impulsionou o engajamento de gestores e profissionais, que juntos buscam garantir o atendimento à primeira infância no contexto amazônico, e sensibilizar uma política integrada em todo o Estado.Equipe que realizou o evento sobre a primeira infância

Crianças e gestantes - O Programa Criança Feliz é uma das ações concretas estabelecidas a partir da política da primeira infância nacional. No Pará, a Seaster é quem executa o programa, uma das principais estratégias de acompanhamento do desenvolvimento de crianças e mães gestantes.

A iniciativa prevê visitas domiciliares, qualificação da oferta dos programas e benefícios da rede socioassistencial e serviços de acolhimento, priorizando a família e o fortalecimento da intersetorialidade nos territórios entre as políticas de assistência social, saúde, educação, cultura, sistema de justiça e garantia de direitos.

O secretário Inocencio Gasparim, titular da Seaster"Aqui, no Pará, nós firmamos o compromisso com ações que potencializam políticas públicas voltadas à primeira infância. Com atuação em 128 municípios paraenses, o ‘Criança Feliz’ assiste, semanalmente, mais de 18 mil crianças e mães gestantes com atendimentos e visitas. Mesmo diante da pandemia, as atividades do programa não pararam. As equipes se reinventaram e, por meio do trabalho remoto, repassaram orientações e apoio técnico aos municípios, o que nos permitiu manter o bom desempenho do programa no Estado", reforçou o titular da Seaster, Inocencio Gasparim.

Flávia Tula, multiplicadora e supervisora do Programa Criança Feliz no município de Pau D’Arco, na região Sul, destacou o envolvimento e a implantação de ações relacionadas à primeira infância em aldeias indígenas. "Nós visamos à igualdade social, respeitando suas adversidades, suas expertises, suas peculiaridades. Ao abordarmos os locais, buscamos entender o território e a vivência familiar. Por isso a importância da intersetorialidade, do apoio que recebemos do Estado, para que possamos fortalecer nossas ações e desfrutar do todo que este programa pode nos oferecer", frisou a supervisora.

O Mês da Primeira Infância é uma iniciativa do Ministério da Cidadania, por meio da Secretaria Nacional de Atenção à Primeira Infância.

Por Camila Santos (SEASTER)