Parceria com rede hospitalar fortalece estoque de sangue no Pará

Articulações com hospitais e realização de projetos ajudam a manter estoques. Em julho, foram mais de 63 mil coletas de sangue que vão chegar a mais de 250 mil pacientes internados na rede hospitalar

28/08/2021 09h30 - Atualizada em 28/08/2021 12h10

Ao completar 43 anos, este mês, a gestão da Fundação Centro de Hemoterapia e Hematologia do Pará tem muito a comemorar: entre as vitórias alcançadas está o aumento de 15% do número de coletas no Pará, no primeiro semestre deste ano, em comparação ao mesmo período do ano passado. Das estratégias utilizadas, principalmente, em tempos da pandemia da Covid-19, estão as parcerias com instituições públicas e privadas, por meio de projetos de responsabilidade social em favor da doação voluntária de sangue.

De janeiro a junho de 2021, foram realizadas 45.932 doações. Desse total, 60% de voluntários são do gênero masculino. Em julho, foram mais de 63 mil coletas de sangue que vão chegar a mais de 250 mil pacientes internados na rede hospitalar. Entre eles, a dona de casa Jessica Martins Chaves, que está internada no Hospital Ophir Loyola (HOL), onde faz tratamento quimioterápico para Leucemia Linfóide Aguda (LLA) tipo B, que é um câncer causado por um linfócito (tipo de célula responsável pela defesa do organismo) que sofre mutação na medula óssea por algum erro no DNA. Esse dano gera um linfoblasto que não amadurece e, por isso, não se transforma em uma célula sanguínea funcional. Por isso, ela precisa de transfusão de sangue para melhorar sua qualidade de vida.

“Já precisei de transfusão de sangue por diversas vezes. Por isso, peço que doem. Convidem familiares e amigos porque muita gente precisa de transfusão. Falo também por mim que já precisei de bolsas que me ajudaram muito, por isso estou aqui dando continuidade ao meu tratamento para ter um resultado positivo e ter alta o quanto antes”, comentou a usuária.

Com assistência oncológica de média e alta complexidade, o Ophir Loyola é um dos hospitais que mais demandam transfusão de sangue pela natureza das patologias dos mais diversos tipos de cânceres de seus usuários. De acordo com a gerente de Captação de Doadores, a assistente social Juciara Farias, de janeiro a julho deste ano, o Hemopa forneceu 5.372 bolsas com hemocomponentes ao HOL. Em contrapartida, a gestão do hospital garantiu a reposição de cerca de 60% do sangue utilizado, ou seja, 3.118 doações de sangue que vem contribuindo para manutenção do estoque de sangue, inclusive, da Agência Transfusão (AT) própria que é abastecida pelo hemocentro coordenador, em Belém.

"Caravana Solidária"

Entre as ações realizadas em parceria, periodicamente, estão o projeto “Caravana Solidária”, que garante transporte para pequenos grupos de voluntários da doação de sangue; a utilização da Unidade Móvel de Coleta de Sangue; além do agendamento de doação de sangue pelo 0800.280.8118.

De acordo com a médica responsável pela AT do HOL, Lívia Ramalho, o hospital tem perfil de atendimento para pacientes oncológicos, onco- hematológicos, renais crônicos e, maioria das vezes, com necessidades de cirurgias. “Temos uma das maiores demandas do estado do Pará em transfusões de sangue. Nosso volume chega cerca de 800 transfusões/ mês. Por isso, necessitamos repor esse estoque ao Hemopa, com realização de campanhas”, ressaltou ao destacar a importância da parceria, tendo em vista que a hemoterapia no HOL é o suporte para  todos os tratamentos em pacientes.

“Temos uma política de captação de doadores junto aos familiares, amigos como também do corpo dos servidores do hospital que vivenciam, diariamente, todos as nossas dificuldades em relação a captação de doação sangue”, destacou a médica.

A próxima campanha em parceria com o HOL já tem agenda para outubro. A programação de captação segue, nos meses que não há ação estratégica, então a equipe do HOL utiliza a “Caravana Solidária”, geralmente, duas vezes ao mês. A próxima será nesta segunda-feira (30) com entrada pela Magalhães Barata e saída do ônibus às 8 horas da manhã. Há também agendamento de coleta com a Unidade Móvel de Coleta de Sangue na frente do hospital.

O diretor Geral do HOL, Joel Monteiro de Jesus , afirma que "o hospital Ophir Loyola é o único centro de alta complexidade em oncologia do Pará e possui uma das maiores demandas por transfusão de sangue no estado devido à  sua referência.  Este procedimento é rotina para maioria dos pacientes com câncer que  são submetidos a quimioterapia e cirurgias complexas para retirada do tumor e por isso necessitam de reposição de hemocomponentes".

O presidente da Fundação Hemopa, o administrador Paulo Bezerra, agradece e parabeniza cada instituição parceira na promoção da doação de sangue, sobretudo, da rede hospitalar do Estado. “Temos a responsabilidade de abastecer mais de 200 hospitais no Pará e, essa responsabilidade, precisa ser compartilhada com a população, empresas e instituições de saúde. Todos pela doação de sangue!”, observou o gestor ao parabenizar a interação com a  gestão do HOL na reposição de sangue.

Para doar sangue, os interessados em fazer a doação de sangue precisam seguir os critérios básicos:

Ter entre 16 e 69 anos (menores de idade devem estar acompanhados do responsável legal); Pesar mais de 50 kg; estar em boas condições de saúde. No momento do cadastro, é obrigatório apresentar um documento de identificação oficial, original e com foto (RG, CNH, passaporte ou carteira de trabalho).
Quem teve Covid-19 também pode voltar a doar, só precisa esperar 30 dias após a cura. Quem teve contato com pessoas que tiveram a doença deve esperar 14 dias após o último contato. Para quem recebeu a vacina Coronavac/Butantã, são 48 horas de inaptidão para doação, após cada dose. Já as demais vacinas basta esperar 7 dias após cada dose.

Por Vera Rojas (HGT-Tailândia)