Detran realiza abordagem para implantação de novas práticas de fiscalização de trânsito

Foco da atividade foi trabalhar o combate à alcoolemia, com base em modelos de fiscalização viária da Austrália e Estados Unidos

18/09/2021 11h18 - Atualizada em 18/09/2021 11h54

Na noite da sexta-feira (17), no km 1 da rodovia BR-316, o Departamento de Trânsito do Estado (Detran) realizou uma atividade prática na via, com objetivo de finalizar os ensinamentos adquiridos em sala do projeto "Fortalecendo a Fiscalização do Tráfego Rodoviário no Brasil". O projeto do Detran é realizado em parceria com o Fundo das Nações Unidas para a Segurança Viária e supervisionado pela Comissão Econômica da ONU para América Latina e o Caribe (Cepal). 

A operação na BR foi realizada com o objetivo de assimilar e implantar novas práticas exitosas de fiscalização de trânsito, advindas de países como Austrália e Estados Unidos. A atividade se torna símbolo da abertura da Semana Nacional de Trânsito, de 18 a 25 de setembro, com o tema "No trânsito, sua responsabilidade salva vidas."

Estiveram presentes 37 agentes de fiscalização, além do diretor geral do órgão, Marcelo Guedes. Esta foi a quarta turma do projeto a entrar em prática. Ao longo de cinquenta minutos, a operação foi realizada através de novos procedimentos de abordagem, com equipamentos como etilômetros, lanternas, viaturas, drones e uma disposição inovadora da blitz na via, com a utilização de quatro faixas, cones e baias.

Com a transformação na estratégia estrutural de montagem da blitz, a partir de práticas internacionais bem sucedidas, o Detran passou a montar blitz de alta percepção, com uma ocupação mais planejada da via e suas faixas, a fim de aprimorar o processo e mudar a percepção do condutor de que ele está diante de uma blitz, e não de um acidente, por exemplo. Além disso, a nova forma de trabalho permite que a blitz seja mais eficiente e rápida, com mais veículos abordados e sem a necessidade de aumentar o número de agentes na execução da tarefa.

A abordagem ocorreu em duas etapas, a primeira era um teste passivo, onde o condutor assoprava e o equipamento detecta o ar, analisando se havia o alerta de álcool. Caso não, o condutor era liberado. Caso sim, o condutor era direcionado a um novo teste, fora do veículo, para a detecção do nível de álcool no organismo. No momento da abordagem, caso o condutor fosse flagrado com mais de 0,33 miligramas de álcool por litro de ar expelido, seria configurado o crime de trânsito, e o condutor conduzido à delegacia da Marambaia.

Para o diretor geral do Detran, Marcelo Guedes, a blitz encerra as atividades desenvolvidas ao longo da semana."É o final de mais um módulo da capacitação, executada em parceria com as Nações Unidas. Aqui vemos a aplicação prática do que eles estudaram nos últimos três dias. Na operação desta sexta, focada em alcoolemia e com toda a nova mecânica que estamos implantando, temos observado uma grande adesão por parte dos agentes, o que é bom", pontua.

Ainda segundo o diretor, a mensagem do trabalho é evitar a combinação perigosa de bebida e direção, além de enfatizar o aspecto educativo. De 360 agentes, 100 já estão capacitados. Além de Belém, Marabá e Santarém já receberam a capacitação. O diretor geral do Detran não se limitou a apenas acompanhar a blitz, mas teve a oportunidade de executar o trabalho do agente de fiscalização."Por lei, o diretor geral é um agente que pode autuar. Então, essa experiência de ir a campo e abordar o condutor foi boa, lidar com o aspecto prático de uma fiscalização e contribuir para a segurança da população", declara.

De acordo com o coordenador de operações do Detran, Ivan Feitosa, o exercício é o início da construção de um padrão de operações. "Diante do que foi repassado em sala, o objetivo é trabalhar essa prática dentro de uma norma que vá chegar em um padrão estabelecido a nível internacional. E, assim, alcançar estratégias que possam padronizar todas as operações na via, e estender a todos os municípios", explica.

Com colaboração de Celso Junior

Por Eduardo Vilaça (DETRAN)