Ideflor-Bio entrega equipamentos para fomentar projeto de Meliponicultura, no Acará

A atividade, de criação de abelhas nativas ou sem ferrão, é coordenada pelo corpo técnico da Diretoria de Desenvolvimento Florestal do Instituto

01/12/2021 14h31 - Atualizada em 01/12/2021 14h44

O Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade (Ideflor-Bio), entregou equipamentos para compor o primeiro entreposto do projeto de meliponicultura no Assentamento Benedito Alves Bandeira, no município de Acará, região de integração do Baixo Tocantins. A atividade, de criação de abelhas nativas ou sem ferrão, é coordenada pelo corpo técnico da Diretoria de Desenvolvimento Florestal (DDF), e conta com apoio do Instituto Federal do Pará -IFPA, campus Castanhal, com orientações do professor, Acácio Moreira, para a difusão da produção agroecológica no assentamento Benedito Alves Bandeira.

A entrega dos itens ocorreu em 25 de novembro. Ao todo, vinte e dois itens foram entregues na comunidade, entre eles, destacam-se o descristalizador de mel, a centrífuga apícola manual, os tanques pré-filtro e decantador, a máquina de sachês, o filtro de água com vazão de 2 mil litros/hora, um compressor de ar, uma balança eletrônica digital, além de equipamentos e utensílios para higienização e manuseio do mel.

Todo material entregue é fabricado em aço inoxidável, seguindo os padrões de exigência dos órgãos de controle sanitário, o que permitirá a futura certificação dos produtos junto a Adepará e ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

A presidente do Ideflor-Bio, Karla Bengtson, destaca que o Instituto fomenta a difusão do projeto da meliponicultura, e capacita os comunitários, por meio dos técnicos do Ideflor-Bio, apresentando técnicas específicas para instalação das colmeias, manuseio, alimentação, entre outras ações.

Além do conhecimento, os comunitários recebem materiais necessários para investir no processamento da cadeia produtiva do mel e garantir segurança e produtividade do trabalho.

O entreposto da região, processará além do mel de abelhas da espécie Apis, méis das chamadas abelhas nativas, a exemplo das uruçus, jataís e abelha mosquito, com produtos de altíssimas propriedades nutritivas e terapêuticas que trazem vários benefícios à saúde.

Essa produção de mel, informa o Ideflor-Bio, tem propriedades antimicrobiana, antifúngica, antioxidante, antisséptico e probiótico, contribuindo para a melhoria do sistema imune, da digestão e do rendimento físico, servindo como um ótimo substituto do açúcar.

De acordo com o apicultor e meliponicultor, Joaquim, morador do assentamento, com a chegada dos  equipamentos entregues pelo Instituto, será possível montar uma casa de mel completa. "Agora teremos a oportunidade de aumentar a produção de mel, além de oferecer um produto de qualidade, fruto da  parceria entre a nossa Associação, o Ideflor-Bio e o IFPA".

Segundo o engenheiro florestal do Ideflor-Bio, Daniel Francez, técnico responsável pelo acompanhamento e monitoramento do primeiro entreposto de mel da região, o beneficiamento atenderá centenas de produtores das regiões de integração do Baixo Tocantins, Guamá e Guajarina, os quais terão um local adequado para o beneficiamento e envase do mel, melhorando a qualidade dos produtos oferecidos aos consumidores de forma sustentável.

Por Aldirene Gama (IDEFLOR-BIO)