EGPA lança projeto para ações voltadas à qualidade de vida do servidor

A iniciativa objetiva criar uma trilha formativa, inicialmente, para até 20 servidores, que desenvolverão o texto base orientador do programa

07/12/2021 16h21 - Atualizada em 07/12/2021 17h07

Representantes dos núcleos de Recursos Humanos dos órgãos do Governo e Agentes de Desenvolvimento e Capacitação (ADCs) da Escola de Governança Pública do Estado do Pará (EGPA) participaram, na tarde desta terça-feira (7), do evento de lançamento do projeto de implementação para o Programa de Qualidade de Vida no Trabalho do Servidor. 

O programa é um novo projeto da EGPA, que busca criar de forma participativa uma política única de qualidade de vida. "Queremos trazer informações, diagnósticos e desenvolver essa rotina de implementação de qualidade de vida mais uniforme dentro dos órgãos do Estado, com a EGPA como núcleo das ações", explica Lucílio Nery, coordenador do Núcleo de Programas de Valorização do Servidor (NPVS). 

A Escola de Governança acredita que a valorização do servidor público deve ser realizada de maneira integral, já alcançando áreas profissionais e artísticas, e com esta nova ação, investindo nas áreas pessoais dos servidores paraenses.

"Desde 2019 buscamos desenvolver essa proposta pois entendemos que, para os servidores, essas ações são muito importantes. O ambiente, relações interpessoais e saúde do trabalhador, seja física ou mental, impactam diretamente na atuação desse servidor", destacou a diretora geral da EGPA, Evanilza Marinho. 

A ação tem como objetivo inicial criar uma trilha formativa, inicialmente, para até 20 servidores, que desenvolverão o texto base orientador do programa em um processo de mentoria de seis módulos, com 180 horas, ou seja, um modelo de curso de aperfeiçoamento. 

"Queremos trazer a mentoria para explicar a teoria aos servidores e mostrar que, aquilo que muitos deles já realizam, tem um propósito. Ações como o setembro amarelo, por exemplo, não podem ser iniciativas isoladas, mas devem ser planejadas e alinhadas com a teoria para cumprirem o objetivo de melhorar a qualidade de vida do servidor", afirma Úrsula Siqueira, psicóloga responsável pelo desenvolvimento das aulas de mentoria. 

Télio da Rocha, servidor do setor de fundo de saúde da Polícia Militar, elogiou o encontro. "Já realizamos algumas ações voltadas à saúde no trabalho, mas a organização e processo de aprendizado que acontecerá durante este projeto vai possibilitar o desenvolvimento ainda maior dessas iniciativas”, disse. 

O edital e as inscrições para esta primeira turma estarão disponíveis a partir de janeiro de 2022, no site da EGPA, com foco principal em representantes dos núcleos de Recursos Humanos dos órgãos e Agentes de Desenvolvimento e Capacitação.

Por Isabela Quirino (EGPA)