Seaster concede benefício eventual a famílias vítimas de incêndio na Cremação

04/08/2015 17h44

Nove famílias vítimas do incêndio ocorrido na Passagem Bugarin, no bairro da Cremação, em Belém, receberam nesta terça-feira (4), na sede da Secretaria de Estado de Assistência Social, Trabalho, Emprego e Renda (Seaster), o Benefício Eventual, auxílio no valor de um salário mínimo, fornecido pelo período de três meses, para vítimas de calamidades. A ação ágil e eficaz no atendimento a quem perdeu tudo no incêndio é resultado de trabalho integrado entre Seaster, Companhia de Habitação (Cohab), Fundação Pro Paz, Fundação Papa João XVIII (Funpapa) e Defesa Civil.

O titular da Seaster, Heitor Pinheiro, fez a entrega dos benefícios e anunciou que na próxima semana outras três famílias também receberão o auxílio. "Já viabilizamos em parceria com o Pro Paz a documentação das famílias que perderam tudo e já estamos encaminhando o processo para que essas pessoas possam receber a primeira parcela do benefício", explicou. Ao todo, doze famílias serão beneficiadas com o Benefício Eventual.

Para a dona de casa Ananda Terra, que perdeu tudo e já recebeu o Cheque Moradia, o benefício vai ser fundamental para contratar a mão de obra para construir a nova casa e também recuperar bens que foram perdidos no incêndio, como roupa e eletrodomésticos. “Sabemos que não é solução de todos os problemas que temos agora, mas com certeza vai nos ajudar muito a começar nossa vida do zero”, disse.

Uma das beneficiadas, Catiane Souza, que teve perda parcial da casa e de alguns itens domésticos no incêndio, disse que o auxílio veio em boa hora. "Com esse dinheiro vou poder recuperar uma parte das coisas que perdemos no incêndio e reconstruir o lado que pegou fogo da casa. É muito bom saber que estamos tendo todo esse apoio do governo do Estado nesse momento”, frisou.

No caso de Denise Amorim, que tinha um pequeno comércio, a calamidade significou a perda da fonte de renda. “Um dia antes do incêndio tinha feito compras para abastecer a minha mercearia e perdi todo o investimento. Esse auxílio financeiro vai me ajudar a recuperar o prejuízo e a montar novamente o meu comércio. Sem ele, nem sei o que faria”, desabafou.

Por Redação - Agência PA (SECOM)