Técnicos da Seac e Segup discutem implantação do TerPaz na região sudeste

Após a conclusão da primeira etapa do programa, em sete bairros da Região Metropolitana de Belém, começa a fase de interiorização

05/12/2019 18h33 - Atualizada em 05/12/2019 21h14
Por Paulo Garcia (SEAC)

Uma equipe técnica formada por representantes da Secretaria de Articulação da Cidadania (Seac) e da Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social (Segup) iniciou nos municípios de Parauapebas e Canaã dos Carajás, no sudeste do Pará, a definição da agenda para implantação do Programa Territórios Pela Paz (TerPaz) na região.

A equipe técnica que já começou a definir a interiorização das ações do TerPazA visita técnica faz parte da segunda etapa do TerPaz, que consiste na interiorização do programa já implementado nos bairros do Guamá, Terra Firme, Jurunas, Bengui, Cabanagem, Icui-Guajará e Nova União, na Região Metropolitana de Belém. “A agenda abordada, em ambos os municípios, consistiu numa reunião em que foi apresentado, de forma detalhada, o Programa Territórios pela Paz, lançado e mantido pelo governo do Estado, explicitando que o trabalho desenvolvido pelas secretarias, fundações e demais órgãos da administração estadual nos territórios tem como objetivo principal o desenvolvimento por meio de políticas públicas inclusivas e de segurança em bairros com elevados índices de violência e vulnerabilidade social”, contou Alejandro Quezada Jélves, coordenador da Câmara Técnica Intersetorial da Seac.

Participação do município - Durante a visita técnica foram abordadas discussões para a definição dos possíveis locais para as ações do programa. “Encontramos indicativos consistentes de que o Complexo Jardim Primavera, na cidade de Parauapebas, por exemplo, seria uma das áreas que mais se enquadraria nos quesitos: elevada vulnerabilidade social e índices significativos de criminalidade. Já na cidade de Canaã dos Carajás não se teve definição de direcionamento de área específica. Contudo, ficou pacificado que a escolha deve contar com a participação ativa do poder público municipal, que deve ser parceiro de destaque na implantação do projeto”, acrescentou Alejandro Jélves.Representantes de vários órgãos estaduais e municipais que participarão do programa

A equipe técnica solicitou um diagnóstico específico de cada área desses novos territórios, verificando os equipamentos disponíveis, assim como os recursos humanos a serem disponibilizados pelas secretarias, fundações e órgãos estaduais, e os recursos financeiros disponíveis para o custeio da execução dos projetos.

Na próxima reunião, serão indicados os coordenadores da Rede Local de Cidadania, que vão organizar e coordenar a execução dos projetos em Parauapebas e Canaã dos Carajás. O grupo vai atuar diretamente na construção do Termo de Cooperação a ser firmado entre o Estado e os respectivos municípios, especificando o cronograma e as atribuições dos representantes no âmbito estadual e municipal na implementação do projeto.