Sejudh fortalece mulheres marajoaras no Dia Internacional dos Direitos Humanos

10/12/2019 21h13 - Atualizada em 11/12/2019 10h28
Por Claudiane Santiago (SEJUDH)

Mulheres do Marajó ganham confiança com as orientações repassadas pela SejudhNo Dia Internacional dos Direitos Humanos - 10 de Dezembro, mais de 500 pessoas participaram da ação de cidadania realizada nesta terça-feira, no município de Breves, no Arquipélago do Marajó. A programação do Projeto "Rede de cidadania: Mulheres Marajoaras, com elas e por elas", é uma iniciativa da Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh), e integra a segunda etapa do projeto, já realizado nos municípios de Portel e Melgaço.

Ao longo do mês de dezembro, a programação será realizada nos municípios de Bagre, Curralinho e São Sebastião da Boa Vista. Na ação de cidadania foram emitidas carteiras de identidade e de trabalho, e feitas retificações de certidões de nascimento e casamento.

Para a dona de casa Josiele Dias, 32 anos, a ação resolveu um problema que se arrastava há meses: obter a carteira de identidade da filha, que tem paralisia cerebral. Josiele mora com a criança numa área distante do centro de Breves, e leva três horas de viagem de barco para chegar à sede municipal.  "Eu agradeci porque, enfim, pude tirar o RG da minha filha. Eu enfrentei três horas de viagem pra tá aqui, e fui atendida de forma humanizada e digna", declarou, após receber o documento.

Resultados - Paralelamente, em um seminário foram apresentados os resultados obtidos pelo projeto na primeira etapa, ocorrida em novembro. "Viemos para mostrar os resultados, dar um retorno sobre o trabalho desenvolvido em cada localidade. Aqui, em Breves, percebemos que a maior intervenção foi possibilitar o autoconhecimento das mulheres sobre os seus direitos", enfatizou a coordenadora de Integração de Políticas para as Mulheres da Sejudh, Márcia Jorge.

A menina mostra a carteira de identidade emitida na Ação CidadaniaA iniciativa faz parte do trabalho desenvolvido pela Secretaria durante o ano para fortalecer a garantia de direitos, com a ampliação dos serviços de cidadania e o incentivo ao empreendedorismo social. O "Mulheres Marajoaras" incentivou a autonomia financeira e possibilitou novos olhares à população feminina do Marajó. Nos relatos, mulheres contaram que tinham medo até de sair de casa, mas depois do projeto se tornaram mais confiantes e aprenderam que nunca é tarde para começar a buscar seus direitos.

Políticas públicas - Na data alusiva ao Dia Internacional dos Direitos Humanos, a Sejudh contabiliza avanços na articulação de políticas públicas. "Trabalhamos com projetos que têm como objetivo a adoção de políticas públicas que possam, efetivamente, fortalecer o trabalho para a garantia de direitos do público assistido pela instituição", informou o diretor de Cidadania e Direitos Humanos da Sejudh, Mayky Franco.

Segundo ele, o Pará ficou entre os cinco estados a executar os três programas de proteção, com a implementação do Programa de Defensores dos Direitos Humanos do Pará (PPDDH), em junho. O Programa se soma aos outros dois já existentes no Estado: o Programa de Proteção a Crianças e Adolescentes Ameaçados de Morte (PPCAM) e o Programa de Proteção às Vítimas e Testemunhas Ameaçadas (Provita).

Márcia Jorge, coordenadora de Integração de Políticas para as Mulheres, ressaltou a importância do autoconhecimento sobre direitosPlano integrado - A Secretaria fortaleceu, ainda, o trabalho de prevenção às drogas com um plano integrado nas áreas de educação, saúde, assistência, esporte e lazer, firmado com o Ministério Público e a Prefeitura Municipal de Ananindeua, além das ações permanentes com o Conselho Estadual sobre Drogas, por meio do Programa “Reconstruindo Sonhos”, destinado a prevenir, educar e conscientizar sobre o uso e abuso de drogas lícitas e ilícitas.

A Sejudh levou às escolas públicas projetos inéditos, como o “Juventude Protagonista”, com oficinas de formação multidisciplinares para jovens entre 13 e 17 anos, que estudem em escolas situadas nos bairros já atendidos pelo Programa Territórios pela Paz (TerPaz). Também foi lançado o “Quebrando Barreiras”, que visa sensibilizar estudantes do ensino fundamental e médio para os direitos da pessoa com deficiência (PcD), e aperfeiçoado o Programa “DH em Cena”, transformando o professor da escola pública em multiplicador dos conhecimentos sobre cidadania e direitos humanos.

Com as Conferências Municipais, a Sejudh articulou com os municípios a criação das secretarias e conselhos Municipais de Políticas para as Mulheres, e organizou a campanha 16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra a Mulher, além de organizar a Conferência Estadual, prevista para 2020.

Pela primeira vez, o órgão abriu as portas para atendimento aos romeiros nas principais procissões da Festividade de Nazaré, em outubro. Mais de 100 profissionais, da equipe técnica de uma ONG e servidores da Secretaria, trabalharam voluntariamente no posto localizado na Rua 28 de Setembro, no bairro da Campina, durante as romarias.