Governo do Pará decide que retorno presencial às aulas na rede pública será em outubro

O Estado baseou a decisão em critérios de segurança, para garantir a saúde de estudantes e profissionais da educação

31/08/2020 22h57 - Atualizada em 01/09/2020 00h16
Por Carol Menezes (SECOM)

Com o objetivo de assegurar a saúde e o bem-estar de estudantes, professores e demais trabalhadores da rede pública de ensino do Pará, o governo do Estado, por meio da Secretaria de Educação (Seduc), definiu o retorno presencial às escolas só a partir do mês de outubro, para todas as séries. Embora já esteja em vigor um decreto estadual que autoriza a retomada desde 1º de setembro (terça-feira), a decisão do governo de adiar o retorno é baseada em critérios de segurança.Escolas da rede pública serão preparadas em setembro para receber os alunos apenas em outubro

O que muda neste momento é que, a partir de setembro, as atividades remotas para alunos do 3º ano do Ensino Médio passam a contar como aulas, e consequentemente, para a conclusão do ano letivo. O acesso ao conteúdo para realização das atividades escolares deve ser feito pelo site da Seduc (http://www.seduc.pa.gov.br/).

Internet móvel - Para garantir o acesso desses concluintes ao acervo educacional disponibilizado pela Seduc no próprio site, redes sociais e plataformas, como o Enem Pará, criado em parceria com a Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Educação Superior, Profissional Tecnológica (Sectet), o governador Helder Barbalho determinou a compra de chips de internet móvel, que serão entregues aos alunos que cursam o último ano do Ensino Médio. Eles devem receber o benefício em 15 dias.

Os demais alunos da rede pública estadual continuam estudando em casa, com apoio também do Programa Todos em Casa pela Educação, que conta principalmente com as aulas transmitidas diariamente pela TV Cultura, e ainda com os cadernos de atividades entregues pelas próprias escolas.

A secretária Elieth Braga destacou o protagonismo do educador da rede pública"A diferença agora para este estudante concluinte é a obrigatoriedade do preenchimento do caderno de atividades - que antes fazia apenas parte da rotina de estudos durante esse período da pandemia. Haverá uma devolutiva desse material, para que haja uma posterior avaliação, que vai contar para o processo avaliativo", explica a titular da Seduc, Elieth de Fátima Braga. "Como o decreto não obriga o retorno presencial nós manteremos as aulas remotas, e nossa previsão é que 
o Estado possa voltar ao presencial apenas em outubro", acrescenta a secretária.

Empenho - Elieth Braga destaca ainda que, desde o início da suspensão das atividades nas escolas devido à pandemia de Covid-19, o empenho dos professores em confeccionar o material distribuído aos alunos para estudo em casa tem sido de extrema importância. "Destacamos o protagonismo desse educador, que ajuda a garantir ao estudante do 3º ano e de todas as séries o acesso ao conteúdo programático", reforça.O Programa Todos em Casa pela Educação continua para os demais alunos da rede pública estadual

A Seduc considera setembro como um mês de recomeço para todo o sistema de educação do Estado. As escolas podem ainda não receber os estudantes, mas de forma remota, docentes, coordenadores e outros profissionais estão juntos no planejamento desse retorno presencial gradual previsto para outubro. "Além de garantir a segurança, queremos estar em consonância com os professores. Tudo que será feito respeitará o distanciamento, quem tem comorbidade e os grupos de risco", garante Elieth Braga.