Hospital Materno-Infantil de Barcarena completa dois anos de funcionamento

Desde 2018, foram mais de 125 mil atendimentos e 2,5 mil bebês nascidos na unidade

19/09/2020 09h44 - Atualizada em 19/09/2020 11h02
Por Adrielle Sousa (HMIB)

O nascimento de um filho é um momento único para a mulher. Próximo de completar dois anos, o pequeno Samuel, filho de Eliana Furtado, foi o primeiro bebê a nascer no Hospital Materno-Infantil de Barcarena Dra. Turan, unidade do Governo do Pará que, nesta segunda-feira (21), completa dois anos de funcionamento.

“Eu não tinha experiência de ser mãe na época. Para a gente seria inviável ir para Belém, já passava da hora do parto. O Materno-Infantil foi a luz daquele momento. Se hoje Samuel está vivo, foi por ter esse hospital aqui”. A mãe comemora o valor da vida. “Hoje celebramos a vida do Samuel e de muitas outras crianças que, assim como ele, vieram ao mundo no Hospital Materno-Infantil de Barcarena”, diz.

“Naquele momento nasceu o Samuel e também um hospital que faria a diferença na vida de outros milhares de pacientes”, frisa o coordenador de Enfermagem, Nataliel Miranda, que estava no parto de Eliana.

Samuel é um dos mais de 2,5 mil bebês nascidos e faz parte dos mais de 125 mil atendimentos feitos na unidade desde a inauguração, em 21 de setembro de 2018. Todo o suporte às gestantes e bebês é feito com acolhimento humanizado, reconhecimento que é evidenciado com o índice de 96% de satisfação entre os usuários.

Estrutura - Localizada a 114 quilômetros de Belém, a unidade atende 100% Sistema Único de Saúde (SUS). Atua no atendimento de alta e média complexidades e oferece consultas, internações, cirurgias e exames, além de contribuir no cuidado materno-Infantil com boas práticas desde o pré-natal até o puerpério da mãe.

“No pré-natal, a paciente tem um suporte especial com o curso da gestante, para sanar dúvidas sobre partos, conhecer a infraestrutura da unidade e entender todo os serviços disponíveis. Durante o parto, são oferecidos à gestante métodos para alívio de dor, como massagens, bola, cavalinho, banheira e musicoterapia para controlar a ansiedade”, explica a diretora assistencial, Joice Vaz.

Após o parto, as mães de bebês que permanecem internados na unidade se tornam acompanhantes e parte integrante do cuidado por meio de oficinas manuais em que elas produzem polvinhos para ajudar na recuperação dos recém-nascidos, além de enfeites e utensílios como uma terapia para se adaptar melhor ao ambiente hospitalar.

“O hospital oferece ainda métodos de boas práticas no cuidado a bebês e recém-nascidos prematuros, como, por exemplo, método canguru, banho de ofurô, descanso na redinha, entre outras técnicas que colaboram para a redução do tempo de hospitalização, melhoram o ganho de peso e fortalecem o vínculo entre mãe e bebê”, destaca a diretora técnica do hospital, Mary Mello.

Aparato - Segundo a diretora financeira, Karina Cunha, todo esse suporte é possível porque a unidade tem infraestrutura com tecnologia de qualidade. “O hospital tem 65 leitos, incluindo Unidades de Tratamento Intensivo, neonatal e adulto, e Unidade de Cuidados Intermediários infantil, além de um Centro Cirúrgico, salas de preparação ao parto, enfermarias e uma unidade de atendimentos à intercorrências", detalha.

Com o único Banco de Leite Humano da região, a unidade também se tornou referência em educação sobre aleitamento materno e doação desse material. A equipe faz coletas nas Unidades Básicas de Saúde para fortalecer a rede de apoio da doação e promove campanhas para arrecadação de leite humano e frascos de vidro, além de ações junto às mães e gestante.

Segundo o diretor hospitalar, Fábio Machado, todo essa estrutura e capacidade técnica ressaltam a importância da unidade para a região. “Hoje fazemos uma linha do tempo, e é emocionante ver a evolução da unidade e dos profissionais, com infraestrutura e boas práticas, pois evidencia o nosso compromisso com a saúde, por meio de um cuidado humanizado”, enfatiza.