Governo do Pará inicia vacinação contra o coronavírus no Baixo Amazonas e Tapajós

19/01/2021 17h15 - Atualizada em 19/01/2021 17h52

Maria das Graças Guimarães Regis, 70 anosO Governo do Pará também iniciou, nesta terça-feira (19), a vacinação nas regiões do Baixo Amazonas e Tapajós contra o novo coronavírus (Covid-19). Em Santarém, o governador Helder Barbalho realizou um ato simbólico com a imunização de Maria das Graças Guimarães Regis, 70 anos, no lar para idosos São Vicente de Paula. 

Ao todo, 17.725 mil doses doses da vacina CoronaVac, produzida pelo Instituto Butantã (São Paulo), foram entregues na Região do Baixo Amazonas e Tapajós. Somente em Santarém, terceira maior população do Estado, foram distribuídas 6.475 doses do imunizante. 

“É um momento de renovação da esperança, valorizar a ciência, a vida e trabalhar para que, o mais rápido possível, estarmos com todos que compõem este primeiro grupo vacinados. Em paralelo, vamos buscar mais vacinas que possam permitir a imunização de toda a nossa população”, explicou o governador Helder Barbalho durante o ato. 

O chefe do Poder Executivo Estadual  defendeu a união institucional como ferramenta estratégica para avanço da vacinação em todo Estado. “Aqui em Santarém, na Região Oeste do Pará, estamos vacinando a primeira idosa institucionalizada. Todo o Pará tem que estar envolvido. Todos nós precisamos estar em um único espírito de valorizar a vida e devemos estar mobilizados para salvar a população”, disse. 

O governador ressaltou, ainda, que vacinação deve compor a participação de todos os entes federados. Helder Barbalho considera que plano nacional de imunização é de coordenação do Governo Federal, no Ministério da Saúde, e o Governo do Estado está viabilizando toda a logística para permitir com que a vacina chegue o mais rápido possível. 

“As vacinas chegaram em solo paraense ontem, às 23 horas, e hoje, às 03h, saiu a primeira aeronave para o interior do Estado. Serão 37 voos ao longo destas 24 horas, no mais tardar até o dia de amanhã, para concluir todo processo logístico de vacinação. Estamos entregando as vacinas nas 13 Regionais de Saúde, mas também levando aos municípios que têm mais dificuldade logística”, detalhou Helder Barbalho. 

O governador informou que, de acordo com o Ministério da Saúde, a próxima rodada de imunização deve ocorrer em um prazo de 10 dias. O governador paraense fez um pedido para as pessoas que fazem parte do primeiro grupo alvo da campanha.

 “Quero fazer um pedido, vamos vacinar. É fundamental que todos compreendam que a vacina é uma vitória da ciência, da pesquisa e acima de tudo é uma esperança da renovação pela vida. Já perdemos muitos irmãos, foram mais de 200 mil brasileiros, sete mil paraenses e a única forma que temos de proteger a nossa população é vacinando”, cravou o governador.

A primeira idosa imunizada no Estado, Maria das Graças Guimarães Regis, 70 anos, também resgatou a importância da ciência e demonstrou gratidão pela oportunidade de imunização. “A luta é pela saúde. Tudo que está acontecendo e o conhecimento dado, foi coisa de Deus. Feliz por colaborar nisto, pensando em todos, peço que fortaleçam a fé”, comentou. 

Maria das Graças Guimarães Regis, 70 anos

O prefeito de Santarém, Nelio Aguiar, destacou o empenho do Poder Executivo Estadual em iniciar o processo de Imunização contra a Covid-19. O prefeito ressaltou, ainda, a parceria institucional entre Estado e municípios na logística e processo de vacinação dos públicos-alvo da campanha.

“Com a vacina, recebemos a esperança de que podemos vencer essa guerra contra a Covid--19. Recebemos com muita alegria e esperança a chegada da vacina em nosso município. Reconhecemos toda luta e emprenho do governador Helder desde o início da pandemia. Muito importante estarmos todos juntos nesta guerra trabalhando de forma articulada e unida para salvar vidas e proteger a população”, disse. 

José Daniel

José Daniel, 58 anos, vendedor autônomo, reforça que a chegada da vacina acende a esperança no combate à Covid-19. “A pessoa já esperava há tempo, né? E tá chegando em boa hora. Eu acredito que um bom negócio foi feito. Porque antes disso tava tudo muito dificultoso pra gente, no país todo, né? A gente espera que com essa chegada dela seja muito melhor. Ainda mais a cidade que voltou com as medidas restritivas”, disse. 

Alerta para região do Baixo Amazonas 

Aproveitando a agenda oficial no município, o governador Helder Barbalho fez um apelo para a população da região solicitando, mais uma vez, que o isolamento social seja respeitado, que as pessoas façam uso de máscaras e mantenham as mãos higienizadas. 

“Particularmente, a Região Oeste do Pará, região do Baixo Amazonas,  que tem relação muito próxima com Manaus e o Amazonas, devem estar atentas para os riscos de assistirmos uma segunda onda e lamentavelmente termos que conviver com cenários de perdas de vidas assemelhado ao estado vizinho”. 

Primeiro lote 

Neste primeiro lote, a imunização será realizada junto à população indígena, trabalhadores em saúde que atuam na linha de frente de combate ao covid-19 e pessoas com mais de 60 anos que vivem em instituições de longa permanência, como por exemplo, asilos.

Plano de vacinação do Estado

O plano de vacinação do Estado começou nas primeiras horas do dia em ato realizado no Hangar Centro de Convenções, em Belém. Ao todo, o Estado terá 173.240 mil doses da vacina, deste total, 48.680 são exclusivas para população indígena.
 
A vacina, que é fabricada pelo Instituto Butantan, de São Paulo, em parceria com a biofarmacêutica chinesa Sinovac, será distribuída de forma gradativa e proporcional à população de cada município paraense.

Cronograma

A campanha de imunização contra a Covid-19 no Pará será desenvolvida segundo a disponibilidade das remessas do Governo Federal. À medida que o Ministério da Saúde viabilizar mais doses, as novas etapas do cronograma e públicos-alvo da campanha serão divulgadas pelo Governo do Pará.

Leia também:

Técnica de Enfermagem é a primeira paraense a ser vacinada contra a Covid-19 no Estado

Chegam a Santarém as primeiras doses da vacina CoronaVac para o oeste do Pará

Por Leonardo Nunes (SECOM)