Projeto ‘Flora do Utinga’ fortalece a preservação da biodiversidade do Parque Estadual

Cerca de 660 espécies de plantas e fungos estão catalogadas e a ideia é criar um "fungário" para que visitantes possam compreender as interações da biodiversidade

10/02/2021 13h10 - Atualizada em 10/02/2021 14h22
Por Giovanna Abreu (SECOM)

O Pycnoporus sanguineus é um dos fungos já catalogados no Parque Estadual do Utinga, laboratório vivo da biodiversidade amazônicaCom o objetivo de fazer o reconhecimento da biodiversidade do Parque Estadual do Utinga Camillo Vianna, a partir da catalogação de plantas e fungos nos diferentes tipos de vegetações da área, o Projeto ‘Flora do Utinga’ é desenvolvido pelo Museu Paraense Emílio Goeldi, em parceria com o Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do Estado do Pará (Ideflor-bio).

Segundo o biólogo Leandro Ferreira, coordenador do projeto, em dois anos, o estudo aumentou, em relação ao Plano de Manejo do Parque, de 150 para cerca de 660 espécies de plantas e fungos identificadas, o que demonstra a necessidade de levantamentos constantes para possibilitar a melhor compreensão da importância biológica da área.

“Os cuidados são diários. Entramos em todas as trilhas, coletamos materiais de plantas, flores e fungos para identificá-los. Alguns são registrados pela primeira vez do estado do Pará e outros contam com poucos registros na região Norte, demonstrando mais uma vez a importância do Parque do Utinga para a preservação da nossa biodiversidade”, explica o coordenador.  

Ivan Santos, gerente do Parque: uma sala de aula a céu abertoO projeto atua de forma integrada com a Universidade do Estado do Pará (Uepa), Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA) e Universidade Federal do Pará (UFPA). De acordo com a diretora das 26 Unidades de Conservação do Estado, Socorro Almeida, a pesquisa é um componente fundamental para que o Ideflor-bio tenha subsídios para fazer a gestão das Unidades.

“Para que a gente identifique as riquezas dentro do Parque e das outras Unidades de Recursos Naturais e possa fazer o manejo adequado, precisamos atuar de forma integrada com instituições de pesquisa. Sem essas informações, nós não conseguiríamos, por exemplo, isolar uma área que tenha uma espécie ameaçada de extinção”, informa a diretora.

O gerente do Parque do Utinga, Ivan Santos, considera a unidade de conservação como uma sala de aula a céu aberto. “Os pesquisadores do projeto já conseguiram resgatar espécies, de fauna e flora, que há muito não eram identificadas. Considero a nossa área um éden não só para nós, em nível de meio ambiente, mas para pesquisa científica, que contribui muito para a nossa sociedade”, ressalta.  

FUNGÁRIO

Uma das ideias do Projeto Flora do Utinga é criar uma espécie de “Fungário” na trilha do Patauá, uma das principais do Parque. Os visitantes poderão conhecer a coleção viva de fungos e entender melhor a biologia desse importante grupo biológico.Socorro Almeida: pesquisa é fundamental para a gestão do parque

“Vamos coletar fungos que já estão naturalmente em troncos ao longo da trilha, em processo de decomposição, e dar mais visibilidade para eles. A ideia é mostrar a rica biodiversidade de fungos do Parque. Vamos identificá-los com placas que expliquem todo o ciclo biológico deles, para que as pessoas saiam da trilha entendendo a importância desse grupo para a manutenção da floresta”, ressalta Leandro Ferreira.

PLANTAS E FUNGOS

De acordo com o biólogo Leandro Ferreira, em um metro quadrado de floresta é jogado para a atmosfera quatro metros cúbicos de água, o que é muito importante para a manutenção do ciclo atmosférico e demonstra o quanto as plantas são essenciais. “Além das plantas também fornecerem alimentação, flores e frutos para as comunidades da fauna, elas compõem uma rede de interação, onde, sem elas, os animais não conseguiriam sobreviver”, explica.

Os fungos, segundo o coordenador, são o elo de manutenção do sistema da floresta, porque decompõem o material orgânico que acaba morrendo (tronco, flores, galhos) e devolvem parte dos nutrientes novamente para a floresta, que são incorporados pelas plantas para o seu crescimento.

“Alguns fungos estão associados com as raízes de plantas vivas, que ajudam na captação de mais nutrientes. Outros são fundamentais também nas indústrias de cosméticos e farmacêuticas. Vejo a floresta como um laboratório vivo”, ressalta Leandro Ferreira.