No Dia Mundial do Autismo, Seduc reforça o compromisso com a educação especial

Secretaria mantém o Núcleo de Atendimento Educacional Especializado aos Estudantes com Espectro Autista, espaço de referência para o desenvolvimento desses alunos

02/04/2021 10h52 - Atualizada em 02/04/2021 12h18

Celebrado no dia 2 de abril, o Dia Mundial da Conscientização do Autismo foi instituído pela Organização das Nações Unidas (ONU), no ano de 2007, para conscientizar e chamar a atenção da sociedade para o Transtorno do Espectro Autista (TEA).

O TEA consiste em uma série de condições caracterizadas por um grau de comprometimento no comportamento social, comunicativo e na linguagem, além de interesses e atividades realizadas de forma repetitiva, podendo ser percebido ainda na infância e persiste por toda a vida, por isso é representado pelo símbolo do quebra-cabeça, pois demonstra a complexidade do TEA e haja vista que ainda é necessário descobrir sobre o tema. O transtorno se manifesta de diferentes formas em cada indivíduo e são trabalhados através de terapias que auxiliam no desenvolvimento. A pessoa com TEA, para fins legais, é considerada uma pessoa com deficiência com leis e garantias específicas.

Neste sentido, a Secretaria de Estado de Educação (Seduc), por meio da Coordenação de Educação Especial (Coees) atua com o Núcleo de Atendimento Educacional Especializado ao Transtorno do Espectro de Autismo (Natee) que, atualmente, atende a 98 estudantes matriculados na unidade.

Felipe Linhares, coordenador do CoeesPara o coordenador da Educação Especial da Seduc, Felipe Linhares, o Natee é de fundamental importância à assistência educacional e formação de alunos com autismo.

“A atuação do Natee como núcleo especializado se torna uma referência para o encaminhamento do público específico de autismo. Apesar de atendermos esse público nas salas de recursos das nossas escolas regulares, o estado do Pará possui unidades especializadas de referência, o que nos ajuda na atuação, desenvolvimento do trabalho de atendimento, bem como o aprimoramento das ações para o melhor desenvolvimento dos nossos alunos”, ressaltou Felipe Linhares.

Conceição Souto, coordenadora pedagógica do NateeO núcleo oferece atividades específicas para o fortalecimento da motricidade, exercícios com fonoaudiólogos para o estímulo da linguagem e também metodologias voltadas para o setor pedagógico de forma que os alunos possam desenvolver as disciplinas da escola regular. Para o ingresso no Natee, é preciso estar devidamente matriculado em escolas regulares da rede estadual. O candidato passará por uma avaliação como uma equipe multiprofissional de fonoaudiólogos, psicólogos, e professores para verificar se apresenta características que se encaixe ao TEA.

A coordenadora pedagógica do Natee, Conceição Souto, conta que o acolhimento é necessário para dar suporte ao ensino regular, uma vez que trabalha as dificuldades próprias da criança com autismo e ajuda no processo de socialização.

“Nós ajudamos os alunos a lidar e trabalhar algumas dificuldades do transtorno no sentido de respeitar e estimular suas habilidades. Contudo, também buscamos potencializar áreas de interesse específico para favorecer a inserção destes alunos nas atividades educacionais do ensino regular, do mesmo modo em outros ambientes sociais que são importantes para sua interação e inclusão social”, destacou a coordenadora.

Gabriel do Nascimento é estudante do 8º ano da Escola Estadual Liceu Mestre Raimundo CardosoGabriel Nascimento, de 15 anos, é estudante do 8º ano da Escola Estadual Liceu Mestre Raimundo Cardoso. A mãe, Márcia Goreth do Nascimento, conta que desde pequeno o filho recebe acompanhamento da equipe técnica e o núcleo foi um divisor de águas para o desenvolvimento de Gabriel.

“O Natee foi a nossa salvação, pois o Gabriel era uma criança tipicamente autista, não aceitava toque, não entendia nada, não sabia falar e nem se expressar. Hoje, através do atendimento, ele socializa, não se incomoda com pessoas, nem com barulhos, sabe ler, escrever, cantar, além de entender e compreender os comandos para a execução das tarefas e trabalho em equipe. Sou muito grata ao núcleo”, frisou a mãe do aluno.

Neste mês de abril, serão distribuídos kits específicos para o atendimento de alunos autistas de quatro escolas da rede estadual que foram contempladas a receber o material doado pela Coordenação Estadual de Políticas para o Autismo (Cepa), vinculado à Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa).  As unidades educacionais são Escola Estadual Jarbas Passarinho, bairro do Marco; General Gurjão, localizado na Cidade Velha e escolas Santo Afonso e Vera Simplício, no bairro do Telégrafo. O critério de seleção foi pela quantidade de alunos matriculados e salas de recursos para trabalhar.

*Texto com colaboração de Lucas Rocha / Ascom Seduc.

Por Lilian Guedes (SEDUC)