Governo do Pará iniciará projeto sobre carbono neutro no final maio

Iniciativa elaborada em parceria com ONG The Nature Conservancy deverá ser implementada nos próximos dois anos

12/05/2021 18h34 - Atualizada em 12/05/2021 18h43

O Governo do Pará recebeu, nesta quarta-feira (12), a confirmação da data de início do projeto “Preparando um Território Carbono Neutro”, elaborado em uma parceria do Estado, através da Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas), e a organização não governamental The Nature Conservancy. 

O projeto será implementado ao longo de dois anos, a partir do dia 30 de maio de 2021, com o orçamento aprovado no valor de US$1,2 milhão. Com o financiamento pelo Fundo de Inovação da Força-Tarefa dos Governadores para o Clima e Florestas (GCF-Task Force), com recursos do governo norueguês geridos pelo Programa das Nações Unidos para o Desenvolvimento.

“O Pará vem avançando na implementação do Plano Estadual Amazônia Agora. Dessa maneira, pretendemos alcançar o objetivo de preservar a floresta e garantir desenvolvimento social e econômico para a população”, acrescentou o secretário adjunto de Recursos Hídricos e Clima, Raul Protázio. 

Esta nova chamada dá início e permite a discussão de papéis e responsabilidades, assim como mapear a assistência técnica do PNUD durante o período inicial. “Estamos contentes em sermos uma das poucas propostas desta chamada internacional, a aprovação do projeto foi uma sinalização importante de que o Estado está no caminho correto e uma contribuição importante para ações que pavimentarão investimentos maiores no desenvolvimento socioeconômico e na conservação ambiental no Pará”, reforçou o secretário Mauro O'de Almeida.

O projeto tem como objetivo central apoiar os esforços do Estado para tornar-se um carbono neutro até 2036, o que está alicerçado nos avanços promovidos pelo Governo do Pará em sua agenda climática, em especial, na Política Estadual sobre Mudanças Climáticas e no Plano Estadual Amazônia Agora, também apoiados pela Força-Tarefa dos Governadores para o Clima.

Por Bruna Brabo (SEMAS)