Hospital de Clínicas celebra o mês junino com incentivo à doação de sangue

A parceria com a Fundação Hemopa resultou em mais de 100 bolsas de sangue coletadas e 30 cadastros para doação de medula óssea

24/06/2021 18h19 - Atualizada em 24/06/2021 23h02

As tradicionais festas juninas foram celebradas de uma forma diferente na Fundação Hospital de Clínicas Gaspar Vianna (HC) nesta quinta-feira (24), dia de São João. Referência em cardiologia, psiquiatria e nefrologia no Pará, a instituição mobilizou servidores, acompanhantes de usuários e a comunidade em uma campanha de doação de sangue e cadastro para doação de medula óssea. Músicas e danças da época junina animaram pacientes, acompanhantes e funcionários

A campanha foi realizada em parceria com a Fundação Hemopa, como forma de adesão do Hospital ao “Junho Vermelho”, mês alusivo à doação de sangue. A ação registrou o comparecimento para doação de 163 voluntários, resultando em 116 bolsas de sangue coletadas e 30 novos cadastros para doação de medula óssea. O ato de solidariedade dos doares teve a parceria da Fundação Hemopa

Do total de bolsas coletadas, 20 vieram de atletas do time sub-20 do Paysandu, que atenderam a um convite feito pelo grupo de captação do Hospital. Ailton Costa, treinador da equipe, falou sobre participação dos jovens em campanhas de doação de sangue. “Durante a pandemia, familiares destes garotos precisaram de sangue, e eles viram de perto o que é a necessidade de ajudar o próximo. Mas a solidariedade também faz parte da formação que damos a eles como atletas e seres humanos”, frisou o treinador.

Atletas do time sub-20 do Paysandu também contribuíram para o êxito da campanhaEnquanto as doações eram feitas, o clima junino tomou conta de crianças e adultos em tratamento na Fundação. Na Clínica Pediátrica e na Clínica de Hemodiálise Monteiro Leite, os pacientes brincaram ao som de músicas e danças típicas desse período.

Karla Aita, terapeuta ocupacional no Hospital de Clínicas, ressaltou a importância da celebração de datas comemorativas para quem enfrenta longos tratamentos hospitalares. “Boa parte da vida dos nossos pacientes é dentro do Hospital. Então, temos que trazer a vida para cá. Proporcionar esse tipo de vivência em datas como essa é fundamental para o bem-estar de pacientes e acompanhantes”, reiterou a terapeuta.

Por Marcelo Leite (HC)