Estado amplia estratégias de retomada do turismo no Pará

O governo, por meio de linhas de crédito e capacitação, quer motivar turistas e a população local a viajar pelos municípios paraenses

05/08/2021 20h34 - Atualizada em 05/08/2021 21h51

O governo do Estado incentiva o aproveitamento do potencial turístico do Pará Criado em 29 de julho de 2020, há pouco mais de um ano, para a retomada das atividades turísticas no Pará, o Plano "Abre Caminho", desenvolvido pela Secretaria de Estado de Turismo (Setur), envolve uma série de estratégias. Uma delas, denominada "Redescobrir o Pará", motiva turistas e a população paraense a viajar pelos municípios, além de promover qualificações para condutores de turismo e ecoturismo - já foram mais de 150 até agora -, com parceria do Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade (Ideflor-Bio). O primeiro módulo, sobre trilhas e caminhadas, está em andamento no município de Abaetetuba, na região do Baixo Tocantins.

O secretário de Estado de Turismo, André Dias, reforça o empenho em contribuir para amenizar os prejuízos ao setor por conta das paralisações decorrentes da pandemia de Covid-19. Linha de crédito especial para turismo no Fundo Esperança, capital de giro no Banco do Estado do Pará (Banpará) para empresários, reposicionamento digital e formulação do site promocional “Visit Pará” são algumas das medidas já tomadas, ou que estão previstas.Santarém, uma das atrações turísticas do Oeste paraense

"O Plano prevê ainda a elaboração de inventários da oferta turística, a realização de palestras e orientação on-line em plataforma virtual durante a pandemia, implementação da Plataforma Integrada do Turismo (PIT), participação em feiras nacionais e internacionais, além da promoção e realização da Feira Internacional de Turismo da Amazônia (Fita), em novembro deste ano", detalha o gestor.

O secretário André Dias enaltece também a campanha publicitária voltada ao turismo estadual para incentivar turistas e ajudar empresas que atuam nesse setor da economia a se recuperar da crise financeira. "A sugestão da Setur para os que aderirem à campanha é usar sempre a hashtag #RedescobrirOPará nas publicações em redes sociais, fortalecendo assim o movimento, além de dar visibilidade e mostrar o seu negócio para quem quer viajar pelo território paraense", ressalta.Secretário de Turismo André Dias

Parceiros - Para a diretora de Gestão e Monitoramento de Unidades de Conservação do Ideflor-Bio, Socorro Almeida, o curso ajudará a capacitar as comunidades que moram dentro ou no entorno de Unidades de Conservação (UCs), para que voltem a garantir seu trabalho de forma segura. "A reabertura chega em um momento mais do que propício. Foi necessário esperarmos esse tempo todo, e em cada UC onde estamos retomando as atividades nós, antes, reunimos com as comunidades para ouvi-las, e elas querem essa retomada; precisam da atividade", afirma.

A requalificação dos condutores atinge principalmente moradores dessas áreas, que acabam se tornando grandes parceiros. "Assim podemos garantir que visitantes, além dos cuidados, tenham momentos especiais, de conhecimento, de apreciação e respeito à natureza", avalia Socorro Almeida.

Experiência e incentivo - Professora de Ciências e Física, e aluna do curso de Condutores de Trilhas e Caminhadas, Jéssica Maués, 24 anos, diz que esse momento de aprendizado é importante até para identificar um local que pode proporcionar uma atividade turística.

“O curso é muito bom, uma experiência inigualável, porque nos ajuda a ter esse contato com a natureza e saber como reagir diante de certas situações que possam acontecer nas trilhas e caminhadas. Está sendo de um proveito inigualável, não só pelo conhecimento teórico, mas principalmente pelos conhecimentos práticos, como os primeiros socorros com os bombeiros. Este curso me ajuda muito profissionalmente. É uma possibilidade a mais porque vou me tornar uma condutora de trilhas, e é uma área que eu gosto muito por conta da parte ambiental e conservação", acrescenta Jéssica Maués.

Gestor ambiental e aluno do curso, Luiz Alberto, 38 anos, pretende fazer trilha em um sítio de sua propriedade. "Está sendo muito bom, e os ministrantes são excelentes. No meu caso, tenho a ideia de criar uma trilha no meu sítio, e o curso nos passa muito conhecimento técnico e empreendedor. Quero me capacitar para empreender na área de turismo na região de Abaetetuba. A capacitação vai ajudar no turismo local, além de movimentar a economia e a geração de emprego", garante.

Por Carol Menezes (SECOM)