Pará mantém destaque regional na geração de empregos para jovens

No primeiro semestre deste ano, conforme dados do Dieese, foram quase 5 mil contratações de jovens aprendizes

21/08/2021 12h56 - Atualizada em 21/08/2021 13h44

A inserção de jovens no mercado de trabalho tem sido um dos grandes desafios da política de emprego e renda dos últimos anos no Pará. Em meio à concorrência e à soma das competências exigidas pelo empregador, o público jovem também é atingido pelo contexto da crise econômica, principalmente integrantes de famílias de baixa renda.

Apesar desse contexto ainda adverso, o Pará tem apresentado resultados positivos na contratação de jovens aprendizes no mercado formal. Um estudo divulgado pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), na última sexta-feira (20), mostra que só no primeiro semestre (janeiro a junho de 2021) o Estado já registrou, aproximadamente, 5 mil novas contrações voltadas a jovens aprendizes. O estudo ainda revela que nos últimos 12 meses a contração de jovens em todo o Pará preencheu quase 8,5 mil postos. Os resultados obtidos pelo Pará são os maiores verificados entre os demais estados da Região Norte. Jovens vêm garantindo o acesso ao mercado de trabalho no Pará em vários setores da economia

Os dados foram elaborados pelo Dieese-Pará, em parceria com a Secretaria de Estado de Assistência Social, Trabalho, Emprego e Renda (Seaster), tendo como base informações do novo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged).

Oportunidade - Wellington Chaves tem 21 anos e foi recrutado recentemente por uma empresa que atua no setor de construção civil. Ele conta que foi inserido na vaga por meio do Programa Primeiro Ofício, iniciativa do governo do Estado que garante oportunidades de aprendizagem a jovens de 14 a 24 anos, que se encontram em situação de vulnerabilidade social.

“Pra mim é uma grande oportunidade porque tenho como aprender, e ao mesmo tempo ter uma renda fixa. Eu nunca trabalhei de carteira assinada. Essa é a primeira vez. Já sou pai e minha esposa está esperando mais um bebê. Esse trabalho vai me ajudar bastante, além de me qualificar através do curso que é disponibilizado”, informa Wellington.

Turma de jovens aprendizesOs dados analisados pelo Dieese/PA ainda mostram que, no primeiro semestre deste ano (janeiro a junho/2021), levando em consideração os setores econômicos das atividades, a maioria dos jovens aprendizes foi contratada pelo setor do Comércio, que contabilizou a admissão de 1.812 jovens (o equivalente a 37,4% do total das contratações), seguido pelo setor de Serviços, com a contratação de 1.261 jovens (26,0% do total das contratações) e pelo setor da Indústria, com a contratação de 796 jovens (16,4% do total).

O Governo do Pará, por meio da Secretaria de Estado de Assistência Social, Trabalho, Emprego e Renda (Seaster), mantém a iniciativa que visa sensibilizar empresas que usufruem de algum tipo de benefício fiscal a dedicar 30% de vagas do Programa Jovem Aprendiz a pessoas em situação de vulnerabilidade. O Programa já inseriu aproximadamente 1.298 jovens em vagas de aprendizagem e certificou diversas empresas com o Selo “Empresa Cidadã”.

Desempenho - O titular da Secretaria de Estado de Assistência Social, Trabalho, Emprego e Renda, Inocencio Gasparim, destaca a importância dos resultados obtidos e o desempenho do Pará no processo de retomada econômica.Secretário Inocencio Gasparim destaca o plano de retomada da economia

“Temos reforçado que o plano de retomada da economia, implantado pelo governo do Estado, tem sido mantido com bastante cautela, cuidando principalmente da saúde da população. Com a execução da vacina, nós temos observado resultados extremamente positivos, entre eles o primeiro lugar no ranking de geração de empregos entre os estados da Região Norte. Por outro lado, o incentivo às atividades produtivas, com redução de 90% de ICMS (imposto sobre circulação de mercadorias e serviços) para empresas de transformação, e as ações no sentido de prover recursos à economia, movimentaram o comércio, o serviço e, consequentemente, potencializaram a contratação de trabalhadores, entre eles os jovens”, informa o secretário.

Inocencio Gasparim acrescenta que “já incluímos mais de 1,2 mil jovens em experiências de aprendizagem, e neste ano incluiremos muito mais. Temos fechado muitas parcerias, em especial com as federações comerciais. Recentemente, também nos reunimos com a Associação Paraense dos Supermercados (Aspas), e a mesma já sinalizou a adesão ao Programa Primeiro Ofício. Tudo isso é fruto da soma de esforços que a gestão tem assumido frente à geração de emprego e renda, sempre com um olhar atento a quem mais precisa”.

Por Camila Santos (SEASTER)