Filhote de peixe boi fêmea resgatado em Monte Alegre é transferido para Santarém

Semas articulou a transferência do animal, por conhecer as instituições licenciadas e com requisitos para receber a espécie ameaçada de extinção

24/09/2021 16h16

Um filhote de peixe boi fêmea resgatado, no último dia 16, na comunidade do Piapó, na área rural de Monte Alegre, no Baixo Amazonas, ganhou um novo lar, o ZooUnama, no município de Santarém, n o oeste do estado.

A Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade do Pará (Semas) atuou na articulação da transferência do animal, que estava sob os cuidados emergenciais dos técnicos da Secretaria de Meio Ambiente e Agricultura de Monte Alegre (Semmag) e do Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do Estado do Pará (Ideflor-Bio).

"Piapó", como é chamada em homenagem à comunidade na qual foi localizada, está com 96 centímetros e 16 quilos. A previsão é de que ela possa ser reintroduzida à natureza dentro de dois anos. "A articulação da Semas na escolha de um local em condições de receber o animal é essencial, porque nós temos conhecimento de quais instituições estão licenciadas e mantêm requisitos suficientes para receber um animal deste porte, que precisa de cuidados e condições específicas e que ainda é de uma espécie ameaçada de extinção", afirmou Talita Praxedes, médica veterinária e técnica da Gerência de Projetos de Fauna, Flora, Aquicultura e Pesca (Gefap), da Semas.

"Agradeço ao apoio da comunidade de Piapó, aos técnicos, biólogos e veterinários pelo resgate e transferência do peixe-boi. Aqui no município de Monte Alegre, ele recebeu os cuidados veterinários, foi examinado, foi alimentado e hidratado", afirmou Madson Pereira, secretário de Meio Ambiente de Monte Alegre.

Para o veterinário Jairo Moura, do ZooUnama, a situação de Piapó ainda inspira cautela. "Esse filhote de peixe-boi está magro e apresenta ferimento perto da cauda. Ela está sendo observada, monitorada. O ponto importante é de que ela efetuou bem essa primeira mamada aqui no ZooUnama, entretanto, ainda é cedo para a gente fazer qualquer tipo de comemoração", afirmou o médico.

Por Bruna Brabo (SEMAS)