Seduc encerra etapa para implantação da nova estrutura curricular do ensino médio em Marabá

O evento reuniu 160 gestores das unidades regionais de ensino, diretores e professores de municípios do Sudeste do Pará

21/10/2021 20h32 - Atualizada em 21/10/2021 23h15

Durante três dias, os participantes conheceram as novas diretrizes do ensino médioO Governo do Pará, por meio da Secretaria de Estado de Educação (Seduc), encerrou nesta quinta-feira (21) em Marabá, o evento de preparação para a implantação do Novo Ensino Médio em escolas dos municípios da região Sudeste. O evento reuniu 160 gestores das unidades regionais de ensino, diretores e professores.

A implantação curricular foi iniciada no dia 19 (terça-feira). Participaram os seguintes municípios vinculados à Unidade Regional de Educação (URE) 04: Marabá, Abel Figueiredo, Bom Jesus do Tocantins, Brejo Grande do Araguaia, Itupiranga, Jacundá, Nova Ipixuna, Palestina do Pará, Piçarra, Rondon do Pará, São Domingos do Araguaia, São Geraldo do Araguaia e São João do Araguaia.

Estavam presentes ainda representantes dos municípios de Cumaru do Norte, Curionópolis, Eldorado do Carajás, Parauapebas, Pau D’Arco, Santa Maria das Barreiras, Santana do Araguaia, Xinguara, Rio Maria, Sapucaia, Bannach, Tucumã, Tucuruí, Breu Branco, Goianésia do Pará e Novo Repartimento. Gestores e professores indígenas também estavam presentes ao evento promovido pela Seduc

As principais mudanças para alcançar os objetivos propostos são novas estruturas curriculares e aumento progressivo da carga horária, com base em dois critérios principais obrigatórios, que juntos somem 3 mil horas.

Diretrizes - A vice-diretora da Escola Estadual Anísio Teixeira, professora Odineia Pereira Souza, definiu o encontro como muito importante para se apropriar das informações e orientações necessárias à implantação do Novo Ensino Médio. “Temos esperança que essa formação se estenda às demais categorias, para que a gente consiga por em prática as diretrizes do novo Ensino Médio. Nossos agradecimentos à equipe formadora, que consegue conciliar o documento com as questões específicas da região, colaborando com nossa visão para a realidade atual", disse a gestora.

Professora em Bom Jesus do Tocantins, Jõhopo Kukakrykre aprovou a iniciativa. “Eu gostei muito dessa formação porque esse Novo Ensino Médio vem nos contemplar, nós indígenas, na nossa Terra Indígena Mãe Maria, do Povo Gavião. É um desafio para nós, como professora responsável da escola e representante das Escolas Indígenas, em repassar para nossos professores indígenas o novo processo curricular do ensino médio. Isso vem abrir minha visão. Tudo que foi falado nós fazíamos na prática. Vamos adequar o nosso projeto de laboratório vivencial da escola, com a nova proposta do documento curricular do ensino médio. As práticas culturais indígenas podem ser inseridas na proposta do itinerário formativo para o mundo do trabalho, que estamos aprendendo na formação", ressaltou.

Competências - A formação geral básica propõe um conjunto de competências e habilidades essenciais para a aprendizagem dos alunos durante o ensino médio, que devem ser desenvolvidas a partir das seguintes áreas do conhecimento: Linguagem e suas tecnologias; Matemática e suas tecnologias; Ciências da Natureza e suas tecnologias e Ciências Humanas e Sociais aplicadas. Pode ser organizada de diversas maneiras, desde que inclua Matemática e Língua Portuguesa em todos os anos do ensino médio e some até 1.800 horas.Professores da região participam da capacitação

Para a professora Mari Elisa, coordenadora do Ensino Médio da Seduc, o trabalho de construção do Novo Ensino Médio é uma possibilidade de ressignificação de conhecimentos e do processo ensino-aprendizagem para alunos. Segundo ela, é a possibilidade de um currículo mais adequado a partir de um processo de escuta dos jovens, da comunidade, do estudo da Região Amazônica. "É um ganho ouvir professores, conhecer as 12 regiões de Integração, que têm diferentes potencialidades. É essa oportunidade de regionalizar nosso currículo, de levar conhecimento para fora do Estado e para fora das nossas regiões, aquilo que a Amazônia e o nosso Pará têm de tão rico, ressignificando o ensino e o ensino médio do Pará", enfatizou a professora. (Colaboração: Wavá Bandeira - Ascom Seduc).

Por Evaldo Júnior (SEDUC)