Hospital Oncológico Infantil retoma iniciativa que estimula a segurança do paciente

"Heróis da Segurança" coloca o paciente como coparticipante ativo no cuidado prestado a si mesmo e estimula a cultura do autocuidado

03/12/2021 12h28 - Atualizada em 03/12/2021 12h59

A ludicidade é uma ferramenta pedagógica no aprendizadoO período de hospitalização envolve normalmente alguns riscos inerentes ao ambiente hospitalar e os processos assistenciais. Pensando nisso, o Núcleo de Qualidade e Segurança do Paciente (NQSP) do Hospital Oncológico Infantil Octávio Lobo, em Belém, desenvolve o projeto "Heróis da Segurança". A iniciativa foca no cuidado centrado no paciente, a fim de reduzir erros no processo assistencial.

Por causa da pandemia da Covid-19, houve uma pausa nas ações socioeducativas, que foram retomadas no último dia 30 de novembro, com atividades lúdicas para crianças e adolescentes em tratamento contra o câncer na unidade e que frequentam a Classe Hospitalar Prof. Roberto França.

O tema central desta retomada é a prevenção ao Coronavírus. Com o tema "Xô, Covid-19", foi apresentada uma paródia que aborda o cuidado e a prevenção do Coronavírus, além da realização de outras atividades e jogos educativos.

O paciente é copartcipante do cuidado prestado a si mesmoA musicista Yumy Dias, colaboradora do Setor de Humanização, criou a paródia. Ela explica que a tática é facilitar a memorização. “A melodia da música, por ser bastante conhecida, sem dúvida, contribui para a absorção do conhecimento de todos os participantes”, disse.

Implantado em 2019 pelo NQSP, o "Heróis da Segurança" possibilita, uma vez por mês, a participação do usuário e seus familiares na assistência prestada, por meio da realização de ações de segurança.

“O diferencial do projeto é que ele coloca o paciente como coparticipante ativo no cuidado prestado a si mesmo e estimula a cultura do autocuidado”, afirma a enfermeira do NQSP do Oncológico Infantil, Camila Castelo Branco.

“Buscamos envolver as crianças e os adolescentes no processo do cuidado assistencial e a se tornarem disseminadores de informações sobre os protocolos de segurança do paciente”, acrescenta a profissional.

Crianças e adolescentes em jogo interativo sobre a prevenção ao CoronavírusHá seis meses em tratamento contra um linfoma, o paciente Santiago Julius Silva, de oito anos de idade, morador do Bairro Guamá, em Belém, foi convidado para participar da ação, após passar pela consulta no ambulatório com a oncologista. "Gostei muito do jogo. Temos que ter cuidado com a Covid. Aprendi que temos que lavar sempre as mãos e usar o álcool em gel", conta o pequeno, que se divertiu com a atividade.

Já a paciente Ketley Melissa Rodrigues, de 10 anos de idade, que reside no Bairro Terra Firme, na capital paraense, recebe os cuidados assistenciais há três anos e está há 14 meses em fase de acompanhamento. Ketley, interagiu bastante com os outros coleguinhas e aprovou o evento educativo. "Achei legal porque ensinaram que sempre temos que lavar as mãos, porque só assim conseguimos evitar o coronavírus", comentou a menina.

Com o apoio de setores como Humanização, Escritório de Experiência do Paciente, Serviço de Controle de Infecção Hospitalar, Núcleo de Educação Permanente, é possível realizar aulas na Classe Hospitalar sobre os protocolos internacionais de segurança do paciente, que envolvem questões como a identificação do paciente; higiene das mãos; segurança cirúrgica; segurança na prescrição, uso e administração de medicamentos; prevenção de quedas dos pacientes; e prevenção de úlceras por pressão.

A coordenadora do NQSP do Oncológico Infantil, Aline Garcia, explica as estratégias utilizadas para o desenvolvimento da atividade com o público infantojuvenil. “O projeto utiliza uma linguagem simples e objetiva, o que favorece o aprendizado, bem como amplia e possibilita a inserção desses novos saberes no dia a dia, a fim de contribuir para uma prática do cuidado com excelência”, destacou.

 

Referência

O Hospital Oncológico Infantil Octávio Lobo, principal referência em oncopediatria no Norte do país, é uma unidade do Governo do Estado, gerenciada pela entidade filantrópica Pró-Saúde, sob contrato de gestão com a Secretaria de Estado de Saúde Pública (SESPA).

Em auditoria realizada nos dias 22 e 23 de setembro deste ano, pela Fundação Carlos Alberto Vanzolini, o Oncológico Infantil Octávio Lobo recebeu aprovação com louvor para a manutenção da certificação ONA 3 Acreditado com Excelência, concedida pela Organização Nacional de Acreditação (ONA), entidade responsável por avaliar critérios técnicos, procedimentos e gestão de unidades de saúde.

Durante a auditoria, o hospital recebeu elogios por diversas iniciativas desenvolvidas, algumas delas relacionadas à segurança do paciente e ao atendimento humanizado da unidade, entre elas o projeto Heróis da Segurança.

 

Texto: Emanuel Jadir/Hospital Oncológico Infantil 

Por Luana Laboissiere (SECOM)