Abelardo Santos aumenta em 85% o número de cirurgias minimamente invasivas este ano

23/05/2022 17h44 - Atualizada em 23/05/2022 18h08

Consagrado em território brasileiro no serviço de neuro endovascular, o Hospital Regional Dr. Abelardo Santos (HRAS), mantido pelo Governo do Pará, no distrito de Icoaraci, em Belém, este ano, quase que duplicou o número de cirurgias minimamente invasivas, em comparação ao volume cirúrgico de 2021. De janeiro a abril de 2022, foram realizados 54 procedimentos, registrando, assim, a média de 13 intervenções por mês. Já no acumulado do ano de 2021, foram feitos 82 procedimentos, com média de sete cirurgias mensais.

Os números expressivos do serviço não param por aí. Somando diagnósticos e cirurgias, houve um aumento na média de produção de 313% entre 2021 e 2022. No acumulado do ano passado, foram 179 procedimentos, com média de 15 por mês. Este ano, até abril, a unidade produziu 249, registrando 62 procedimentos mensais na especialidade. O serviço realizado de forma 100% gratuita faz parte da rede de atendimento da Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa), que vem investindo em equipamentos tecnológicos e na qualificação profissional para a realização desses procedimentos.   

“Demos início aos procedimentos no HRAS no terceiro trimestre de 2020 e as técnicas endovasculares foram consolidadas em 2021. Hoje, a unidade já é uma referência em todo o País, pois, nenhum outro Estado do norte do Brasil presta esse tipo de atendimento. Os procedimentos são minimamente invasivos, realizados pela femoral, sem qualquer abertura no crânio. Na rede privada, custam em torno de R$100 a R$150 mil. No Pará, o Governo custeia com verbas do tesouro estadual, ofertando, assim, qualidade e assertividade na atenção à saúde de alta complexidade”, explicou Rômulo Rodovalho, secretário de Estado de Saúde Pública do Pará.

Programa - O serviço foi inaugurado no HRAS em setembro de 2020. Atualmente, a unidade realiza desde o diagnóstico, até os procedimentos terapêuticos para doenças do sistema nervoso que afetem tanto o cérebro como a medula. Isso porque a instituição conta com o aparato tecnológico e de um time de profissionais qualificados e preparados para o bom desempenho da área de atuação.

O neurocirurgião e neurorradiologista intervencionista Eric Paschoal, coordenador do serviço, destaca que durante esse intervalo de tempo a unidade se posicionou com um diferencial na Saúde Pública. “Além de ser referência em nível estadual, o HRAS tornou-se referência nacional ao acolher pacientes com Acidente Vascular Cerebral (AVC) hemorrágico encaminhados de todas as regiões do Estado do Pará, como também de outros Estados adjacentes”, detalhou. 

“A equipe de neurorradiologia conta com um time que perfaz o maior grupo da região com um suporte da equipe de neurocirurgia, permitindo o tratamento de doenças complexas e raras, o que em muitas vezes é direcionado apenas para algumas instituições com “super-especialistas” para resolução dos casos”, reforçou Eric Paschoal, que também é professor e doutor na especialidade.

Patologias - Paschoal também garante que o apoio da gestão administrativa do Hospital Abelardo Santos permitiu com que o número de procedimentos tenha saltado de forma exponencial, ao ponto de a equipe conseguir, em muitas vezes, tratar pacientes com hemorragia cerebral por aneurisma em questão de três dias, permitindo o tratamento efetivo e rápido em situações que outrora eram de difícil acesso.

Além dos aneurismas, os especialistas do HRAS também tratam outras doenças direcionadas à instituição como casos de malformações arteriovenosas, que representa um grupo de doenças raras com estatísticas de 0,04% na população. A equipe segue tão preparada ao ponto de fazer de 2 a 3 tratamentos por semana. “Os números são de causar orgulho ao trabalho que a instituição e a Sespa vêm investindo no contexto de ao término do mês de abril ter alcançado 22 procedimentos terapêuticos e 63 diagnósticos. Isso para uma realidade pós- pandemia é algo de trazer orgulho aos paraenses pela pujança do serviço o qual a população tem a sua disposição”, enfatizou Paschoal.

Ferramentas - O grupo de especialistas do HRAS já conseguiu um percentual substancial de artigos científicos, capítulos de livros publicados, assim como apresentações científicas nacionais e internacionais, posicionando, assim, o serviço de neurorradiologia da unidade. Para o diretor executivo do hospital, Marcos Silveira, todo este reconhecimento é fruto de um trabalho árduo e contínuo do Governo do Pará, junto com o Instituto Mais Saúde, que administra o HRAS.  

“Nós contamos com um parque de equipamentos específicos para neurorradiologia e neurocirurgia. Em 2021 o Governo do Estado investiu ainda mais no serviço de Neuro do HRAS, adquirindo um microscópio neurocirúrgico de um modelo do que há de melhor no mercado. Temos tecnologia de ponta e profissionais altamente qualificados, possibilitando assim ter uma assistência segura, procedimentos minimamente invasivos e resolutividade”, destaca o gestor.

São ofertadas no hospital, a nível ambulatorial, em torno de 600 consultas da especialidade, encaminhadas através da Central Estadual de Regulação, assim como o encaminhamento para os procedimentos neuro endovasculares. Além disso, há uma unidade de internação com 30 leitos específicos para neurocirurgia. 

Serviço: O HRAS é um Hospital Público, referência do Governo do Estado em alta complexidade. A instituição é administrada pelo Instituto Mais Saúde em parceria com a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa).

Texto: Roberta Paraense (Ascom/HRAS)

Por Governo do Pará (SECOM)