Pesquisadoras do Evandro Chagas ministram palestra sobre coronavírus no Hemopa

06/03/2020 15h42 - Atualizada em 06/03/2020 16h12
Por Vera Rojas (HEMOPA)

Dando continuidade a programação de ações de educação em saúde que fazem parte das medidas operacionais de enfrentamento ao coronavírus, ou Covid-19, que foi incluído no processo de triagem clínica para doação de sangue, realizada na Fundação Centro de Hemoterapia e Hematologia do Pará (Hemopa), foi promovida  nesta sexta-feira, 6, uma palestra para todos os servidores com o tema ‘Medidas Operacionais de Prevenção e Controle do Corona Virus’, ministrada pelas infectologistas Rita Medeiros e Tânia Chavez, que são pesquisadoras do Instituto Evandro Chagas.

A ação foi voltada para servidores, de todos os níveis, que lotaram o auditório com capacidade para 120 pessoas. De acordo com Tânia Chavez, no momento atual é fundamental compartilhar o conhecimento, esclarecer dúvidas sobre o assunto. “Temos que sempre buscar as informação mais fidedigna possível, sempre com as fontes oficiais dos nossos gestores, do Ministério da Saúde, da Secretaria de Estado de Saúde e da Organização Mundial de Saúde, para termos a verdadeira consciência do que existe de científico e evidência do que está acontecendo. Temos que combater as ‘fake news’. E é o que a gente tem feito para enfrentar o desconhecido”.

Essas ações preventivas de educação em saúde junto aos servidores da hemorrede contam com palestras, distribuição de material educativo em consonância com as orientações do Ministério da Saúde/Secretaria de Estado de Saúde Pública –Sespa.

Tânia ChavesA inclusão da avaliação do novo coronavírus, ou Covid-19, passou a constar na Nota Técnica n° 5/2020, do Ministério da Saúde/Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa), que já avaliava presença dos vírus da dengue, chikungunya e zika, e agora avaliará também variações do coronavírus, entre elas, a Síndrome Respiratória Aguda Grave (Sars) e Síndrome Respiratória do Oriente Médio (Mers).

Essas ações contam com envolvimento direto do Serviço de Atendimento de Saúde do Servidor (SASS), da comissão de Biosegurança, comissão de Enfrentamento ao Covid-19, e ainda o projeto “Sala de Espera” que intensificará as intervenções junto às áreas de atendimento aos pacientes e doadores para esclarecer sobre a doença.

Triagem de doadores para avaliação do Covid-19

O processo de triagem estabelecido com a inaptidão temporária para candidatos com histórico de viagem para áreas autóctones, nacionais ou internacionais, é de 30 dias, conferido a partir do último dia de permanência na área visitada. Já os casos confirmados com exames clínico/laboratorial, o candidato fica impossibilitado de efetuar a coleta de sangue por 90 dias, a partir de sua plena recuperação”.

Casos de candidatos que tiveram contato, nos últimos 30 dias, com pessoas que apresentaram diagnóstico da doença pelo mesmo período, terão a coleta suspensa por um mês. O mesmo período de inaptidão vale para aqueles que tiveram contato com casos suspeitos e em avaliação.