Emater e Ufra promovem a primeira Residência Profissional Agrícola do Pará

A iniciativa vai garantir capacitação a 20 profissionais recém-formados na área de Ciências Agrárias

07/04/2021 18h06 - Atualizada em 07/04/2021 23h50
Por Etiene Andrade (EMATER)

Os residentes conhecerão no campo a realidade da agricultura familiar no território paraenseTreinamento avançado para especializar um profissional não é exclusividade da área de saúde. Um exemplo é a recente parceria entre a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Pará (Emater) e a Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra), que vai garantir a capacitação de 20 profissionais recém-formados em graduações na área de Ciências Agrárias como residentes agrícolas.

Os selecionados integram o Programa de Residência Profissional Agrícola do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), que no Pará tem a primeira experiência implantada pelo Instituto de Ciências Agrárias da Ufra, executada com o apoio do órgão de assistência técnica.

Além de profissionais de Engenharia Agrônoma, a Residência Profissional Agrícola da Ufra também abrange as áreas de Engenharia Florestal, Zootecnia e Engenharia de Pesca.A presidente Cleide Amorim garantiu que a Emater está preparada para receber os residentes

Experiência de campo - “A Emater já está preparada para receber os residentes que serão capacitados nas comunidades com todo o apoio dos técnicos dos escritórios locais da empresa, o que vai ser de grande relevância na formação desses novos profissionais, que terão toda uma experiência de campo dentro da realidade da agricultura familiar do Estado”, ressalta a presidente da Emater, Cleide Amorim.

O primeiro módulo da residência será cursado no escritório local da Emater, e dois módulos já estão programados para propriedades rurais em vários municípios e na Unidade Didática de Bragança (UDB), na região Nordeste.

De acordo com a coordenadora da residência, Antônia Bronze, o projeto visa à capacitação dos profissionais da área de Ciências Agrárias, a partir de atividades na agricultura familiar para o desenvolvimento de tecnologias integradas e práticas sustentáveis no uso dos recursos naturais, além de contribuir para a melhoria da qualidade de vida do homem no campo.

“O residente vai estar dentro da comunidade, interagindo com o produtor rural e com a equipe técnica da Emater, promovendo uma troca de aprendizado, o que é importante para os residentes, para a Ufra e para a Emater. Queremos levar uma visão empreendedora dos produtores das unidades residentes, a fim de que estas aumentem a produtividade, geração de emprego e oferta de produtos agrícolas nos centros urbanos, dando contribuição à segurança alimentar da população”, explicou a coordenadora.O aprendizado será fundamental na formação profissional dos selecionados

Expectativa - Recém-formada, a engenheira agrônoma Jaqueline Silva integra a primeira turma de 10 residentes, que já iniciou a capacitação nos próximos dias. “Eu estou muito grata pela oportunidade de participar dessa residência muito almejada por todos, e espero superar meus limites. Minhas expectativas para esse ano é me capacitar profissionalmente, adquirir habilidade e conhecimento através das diversas atividades práticas, do convívio com os produtores rurais e técnicos da Emater. Que seja uma experiência inesquecível!”, disse a residente.

Dentro das etapas de capacitação, os residentes atuarão em Unidades de Produção Familiar e Associações em oito municípios paraenses (Belém, Ananindeua, Marituba, Benevides, Santa Bárbara do Pará, Santa Izabel do Pará, Santo Antônio do Tauá e Castanhal). Está prevista também uma etapa na Unidade Didática de Bragança (UDB), que há mais de 50 anos é um espaço de referência para treinamentos e capacitações em Assistência Técnica e Extensão Rural (Ater).A UDB é referência para encontros, cursos, intercâmbios e outras atividades

Estrutura de conhecimento - A Unidade Didática de Bragança tem uma área de 100 hectares, utilizada para a promoção de encontros, reuniões, cursos, oficinas, intercâmbios, excursões e outras atividades, além de um auditório com capacidade para até 60 participantes por evento e estrutura para acomodação. A Unidade apoia instituições educacionais dos mais diversos níveis na área de Ciências Agrárias, e reúne dados meteorológicos coletados desde 1977.

Referência também no apoio a agricultores locais, a UDB dispõe de um Laboratório de Solos e uma agroindústria de leite e frutas. O Laboratório de Solos analisa a fertilidade, determina o pH e faz exames de nutrientes, fatores essenciais que beneficiam diretamente agricultores empenhados em melhorar a produção.