Repasses do Bora Belém a famílias em vulnerabilidade chegam a mais de R$ 900 mil

Programa quer repassar um total de R$ 60 milhões a 22 mil famílias belenenses inscritas no CadÚnico, mas sem receber auxílio estadual ou federal no momento

02/06/2021 16h08 - Atualizada em 02/06/2021 16h46

Dona Zuleide Favacho costumava trabalhar com a venda de lanches na porta de casa, mas, há dois anos, luta contra um câncer e não tem condições de exercer a atividade. Nos últimos dois meses, a guamaense de 60 anos vem recebendo um auxílio mensal de R$ 450,00 por meio do programa Bora Belém. A iniciativa é uma cooperação entre o Governo do Pará e a Prefeitura de Belém voltada a lares em situação de vulnerabilidade social agravada pela pandemia da covid-19. O benefício tem garantido uma renda fixa para Dona Zuleide sustentar a família, com dignidade.Bora Belém beneficiou 3.006 mil lares até esta quarta-feira (2)

Desde o início de março, o Bora Belém disponibiliza, a famílias previamente cadastradas e visitadas, auxílios nos valores de R$ 150,00, R$ 300,00 ou R$ 450,00, a depender da composição familiar. Até esta quarta-feira (2), o programa já contemplou 3.006 lares como o de Dona Zuleide. Ao todo, foram repassados R$ 939.300,00, sendo 50% de recursos estaduais e 50% municipais.

Dona Zuleide faz parte do público prioritário da primeira fase do programa, o de mulheres que são responsáveis, sozinhas, pelo lar. Ela mora com três netos, que ainda estudam, e uma bisneta. Os filhos, que não moram com ela, estão desempregados. “Eles me ajudam como podem, mas não têm emprego fixo”, relata. Por isso, ela considera que o Bora Belém veio no momento certo. “Ajudou a pagar as contas e na alimentação. Achei muito boa essa iniciativa, está ajudando quem está precisando”, opina.

Para o secretário adjunto da Secretaria de Estado de Assistência Social, Trabalho, Emprego e Renda (Seaster), Valdo Divino, o programa visa a atender de maneira especial mulheres que cuidam sozinhas de suas famílias e não estão recebendo Bolsa Família ou outro programa de transferência de renda. “Esse programa mostra o compromisso do Governo do Estado com a população mais vulnerável. A parceria com a Prefeitura de Belém demonstra a sensibilidade do governador Helder e do prefeito Edmilson ao estenderem as mãos às famílias mais necessitadas, em especial nesse momento de pandemia, em que a fome e a miséria aumentaram consideravelmente”, avalia o gestor.

O valor do auxílio é calculado conforme a composição familiarComo acessar – O objetivo do programa é repassar um total de R$ 60 milhões a 22 mil famílias belenenses já inscritas no Cadastro Único (CadÚnico), e que não estão recebendo nenhum tipo de auxílio estadual ou federal no momento. A Funpapa (Fundação Papa João XXIII), da Prefeitura de Belém, já tem os dados de todas essas famílias e, por isso, não é preciso realizar nenhum cadastro prévio para receber o benefício.

O valor do auxílio é calculado conforme a composição familiar, de acordo com três faixas: na primeira delas, mulheres com um filho recebem R$ 150; com dois e três filhos, recebem R$ 300, e com quatro ou mais filhos têm direito a R$ 450. A previsão é que cada família receba o auxílio durante um ano e oito meses.

Para liberar os recursos do Bora Belém, as equipes da Funpapa visitam as famílias para confirmar os dados cadastrais. Apenas após a checagem, a Fundação autoriza o Banpará (Banco do Estado do Pará), operador financeiro do programa, a realizar o pagamento. As famílias já visitadas podem consultar a aprovação do benefício no site do programa.

Por Ádria Azevedo (IASEP)