Seaster garante acesso de pessoas com deficiência ao mercado de trabalho no Pará

Centro Integrado de Inclusão e Cidadania (CIIC) vem fazendo atendimentos de oferta e encaminhamento para vagas aos mais de 400 usuários atendidos

18/08/2021 08h44 - Atualizada em 18/08/2021 11h22

O mercado de trabalho formal foi fortemente afetado com a crise econômica gerada pela pandemia causada pelo novo coronavírus. Trabalhadores de diversos setores se viram impossibilitados de exercer a suas funções, outros foram desligados de seus empregos, e em meio a esse contexto adverso, um número expressivo de Pessoas com Deficiência (PCD) enfrenta dificuldades maiores frente ao preconceito e pouco acesso ao mercado. 

Com o intuito de facilitar e propiciar a intermediação de mão-de-obra a este público, a Secretaria de Assistência Social, Trabalho, Emprego e Renda (Seaster), por meio do Centro Integrado de Inclusão e Cidadania (CIIC), tem garantido atendimentos de oferta e encaminhamento para vagas de emprego aos mais de 400 usuários atendidos pelo Centro. 

Através de um posto do Sistema Nacional de Emprego (Sine), os usuários consultam oportunidades e são encaminhados diariamente à entrevistas.  

 

Oportunidade

Robert Siqueira tem 53 anos, possui deficiência auditiva e é usuário dos serviços do CIIC há muitos anos. Ele conta que já conseguiu emprego através dos atendimentos do SINE/PCD e atualmente tem buscado oportunidade em outras áreas. “Eu trabalhei como auxiliar administrativo durante 6 anos por meio de uma vaga que consegui aqui no Sine, por isso, volto a buscar este serviço, porque dá certo. Os técnicos que nos atendem são muito atenciosos e procuram encaixar o trabalhador de acordo com o perfil da vaga. Eles se tornam uma ponte entre o trabalhador e o empregador”, conta.

Através da Lei 8213/91, conhecida como “Lei de Cotas”, empresas com um quadro de funcionários superior a 100 pessoas são obrigadas a preencher de 2% a 5% de seus cargos por funcionários reabilitados ou pessoas com deficiência e punindo com multa as empresas que não cumprem este preenchimento. No Pará, o ramo de atividades com destaque na absorção de mão- de-obra de pessoas com deficiência é o setor de serviços. A maioria das vagas envolve atividades operacionais, como auxiliar de limpeza, embalador, repositor, auxiliar de produção, ajudante de carga e descarga, auxiliar administrativo e recepcionista.

O coordenador do CIIC, Felipe Bordalo, comenta que a demanda tem aumentado e comemora o saldo positivo no número de contratações já realizadas entre os meses de janeiro a junho deste ano.

“De 210 vagas disponibilizadas, 136 foram preenchidas ainda no primeiro semestre de 2021, dado que revela um aumento no número de contratações, se comparado ao mesmo período do ano de 2020. No ano passado, com o ápice da pandemia e a instituição de medidas restritivas, as empresas adotaram um posicionamento mais cauteloso quanto às contratações de um modo geral, porém, podemos afirmar que não houve um mês sequer sem oferta de vagas. Neste ano, com menos restrições sociais, já se pode observar o aumento na absorção de mão- de-obra da pessoa com deficiência e através dos atendimentos do Sine essa intermediação deve ser impulsionada”, explicou Felipe.

 

Inclusão

Para estimular empresas de diferentes segmentos a criar estratégias de inclusão no mercado de trabalho para o público surdo, a Seaster realiza, anualmente, uma oficina de conhecimentos básicos de Libras, voltada a representantes de empresas parceiras do Sistema Nacional de Emprego (Sine). O projeto é elaborado pela equipe do Sine PcD, em parceria com a Central de Libras do Pará (Cilpa).  

“Mesmo cumprindo as obrigações legais, grande parte das empresas não possui acessibilidade comunicacional, o que acarreta processos seletivos sem adaptações adequadas. Nós percebemos que alguns usuários possuem graduação em letras, pedagogia, história, mas só conseguem trabalho em vagas voltadas ao nível médio de escolaridade. Isto faz parte da ausência de conhecimento sobre a Língua Brasileira de Sinais, reconhecida oficialmente como meio de comunicação e expressão pela Lei 10.436/2002, porém, ainda desconhecida pela imensa maioria”.

Os atendimentos do SINE/PCD são realizados nas intermediações do CIIC, localizado na Av. Almirante Barroso, 1765. O serviço é disponibilizado de segunda a sexta, de 9h às 15h.

Por Camila Santos (SEASTER)