Belém sediará fórum de ciência e tecnologia

16/08/2017 00h00
Por Redação - Agência PA (SECOM)

Inicia nesta quarta-feira (16) o Fórum Nacional Confap Belém 2017, evento do Conselho Nacional das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa (Confap), que será realizado nesta edição pela Fundação Amazônia de Amparo a Estudos e Pesquisas (Fapespa). A abertura do evento será livre ao público, a partir das 19h, no Palácio dos Despachos.

O evento prossegue até sexta-feira (18). O papel da ciência e tecnologia na região será debatido por representantes de todas as fundações estaduais de amparo à pesquisa do país e por representantes de agências nacionais de fomento.

Menos de 1% dos recursos federais são investidos na Amazônia em termo de ciência e tecnologia, o que preocupa muitos pesquisadores, já que trata-se da maior biodiversidade do planeta. A região está no centro dos interesses internacionais, mediante a carência de conhecimento para conciliar desenvolvimento e preservação, por meio de investimentos em capacitação, pesquisa e inovação.

Durante o evento a Fapespa lançará o Boletim de Ciência, Tecnologia & Inovação Pará 2017. Haverá, ainda, a palestra "Amazônia: o maior desafio nacional do século XXI", apresentada pelo Secretário de Estado de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica, Alex Fiúza de Mello.

Na quinta-feira, de 9h às 10h30, na Federação das Indústrias do Estado do Pará (Fiepa), a sociedade também está convidada a participar da mesa redonda que debaterá sobre o papel da ciência e tecnologia no desenvolvimento da Amazônia. Logo após, a Fapespa apresentará os dados do Boletim de Ciência, Tecnologia & Inovação Pará 2017. No restante da programação serão realizadas reuniões fechadas entre os participantes do fórum.

Outro ponto que será discutido diz respeito a grave crise que se abate no sistema de ciências, tecnologia e inovação a nível nacional com cortes significativos de recursos no CNPQ, na CAPS e na FINEP. O recurso do CNPQ, por exemplo, já foi cortado em mais de 50%. Diante disso, um dos objetivos desta edição do Confap é encontrar uma solução conjunta para amenizar a crise. Também haverá o debate sobre a questão dos marcos legais nos Estados - alinhados com a Lei Federal - e a ampliação de acordos e novas cooperações, além de uma visita ao Parque de Ciência e Tecnologia Guamá da Universidade Federal do Pará, para apresentar aos representantes das fundações a estrutura dos laboratórios.

De acordo com o presidente da Fapespa, Eduardo Costa, essa é uma das oportunidades para que a sociedade possa ser protagonista da construção de uma solução para a carência e para os cortes de investimentos. "De que adianta ter a maior biodiversidade do planeta, uma potencialidade gigantesca em termos de fitofármacos, fármacos, químicas, novos materiais, se não geramos conhecimento para nos apropriarmos daquilo que a natureza nos deu? Infelizmente a Amazônia ainda permanece na periferia do interesse estratégico da nação brasileira. Esperamos que realmente consigamos sensibilizar os operadores da ciência tecnologia e inovação em nível nacional para que tenhamos mais recursos nas universidades, estudos e pesquisas, para que os pesquisadores da Amazônia desenvolvam o trabalho brilhante que já vem fazendo com poucos recursos", destacou.

Para a presidente do Confap, Maria Zaira Turchi, Belém foi uma excelente escolha e os debates tendem a gerar resultados positivos."É um fórum altamente representativo e deliberativo de políticas e programas para o avanço das pesquisas científicas, tecnológicas e de inovação porque reúne todas as 26 Fundações dos Estados Brasileiros, as agências nacionais, como CNPq, Capes, Finep e Ministérios, o setor empresarial e os parceiros internacionais, como a Comissão Europeia. Nesse encontro são pensados e propostos novos acordos e cooperações, que trazem mais recursos e a possibilidade do trabalho ser fortalecido por contar com redes e parceiros todos na mesma direção do desenvolvimento científico, tecnológico e de inovação", finalizou.